Pular para o conteúdo principal

Conheçam seus clientes!

Há anos esta tem sido uma das principais obrigações e desafios das empresas: conhecer o cliente! Nunca, porém, essa vertente da gestão foi tão importante, vital e essencial no atual cenário de crise nos mercados mundiais. O Cliente mais do que nunca será o personagem principal na retomada do crescimento. A pergunta é se estamos realmente prontos para lidar com este Cliente que irá emergir pós-crise com novas exigências e demandas.

Realmente conhecemos a fundo os Clientes que há anos tem mantido continuidade na relação comercial com nossos produtos e/ou serviços? Temos reais habilidades de entendermos estrategicamente o banco de dados com tudo que coletamos há anos ou na verdade o que temos é um “bando de dados”? Já estamos treinando novamente nossa equipe de vendas ou atendimento com novas ferramentas e novas técnicas? Qual é o novo repertório usado pelos vendedores ou atendentes?

O mercado vem há algum tempo emitindo fortes sinais de mudanças e algumas bem profundas. Vivemos uma era de transformação e de revolução nos hábitos de consumo. O nível de qualidade alcançado por um número cada vez maior de empresas na oferta de seus produtos e serviços faz com que a Excelência alcance um novo patamar. Se a qualidade era o grande diferencial na era dos produtos e serviços, qual seria a vantagem competitiva e o valor diferenciado na era das experiências, onde o indivíduo está cada vez mais disposto e ávido em acessar a tudo que é especial? Se antes capacitávamos a todos para vender produtos e serviços, o que estamos fazendo para capacitar a todos na venda emocional, no valor agregado... na venda das experiências? Como despertar a atenção do consumidor quando o mesmo está diante da espetaculirazação do igual?

Há anos, muitas empresas vêm desenvolvendo programas de relacionamento com clientes, criando banco de dados, atualizando as fichas cadastrais, elaborando programas de fidelidade e presenteando seus Clientes nas datas de aniversário. Já não é mais suficiente. Já não basta mais as famosas fichas cadastrais se quando você retorna ao mesmo Hotel a recepção pede para que seja preenchida novamente ou quando o varejo não verifica primeiro se o determinado Cliente já preencheu a ficha anteriormente, antes de fazer a pergunta novamente: o senhor se importa em preencher nossa ficha de cadastro? Para que serve um Programa de Milhagem especial com Cias. Aéreas além da emissão de bilhetes premium?

Ainda não consigo entender como em um check-in o agente não consegue imediatamente ter na tela do computador dados sobre o passageiro como nome completo, última viagem com a cia. Aérea, último filme que assistiu... o que seja para que o mesmo seja de imediato surpreendido por um atendimento mais customizado? Será que além de speeches sobre rota de vôo, segurança e merchandising os Comissários não tem como receber também em tempo real quem está voando naquele vôo para talvez encantar um passageiro que está aniversariando naquela rota ou quem sabe premiar um passageiro que tem a maior quantidade de horas voada? De que adianta os extraordinários avanços tecnológicos se não os colocamos a serviço estratégico nosso?

Temos que ser capazes de ir mais adiante... de dar uma passo a mais... temos que encantar, surpreender, fascinar, envolver! Confúcio dizia que quando contamos para um cliente sobre nossa experiência, ele esquece. Se mostrarmos, ele lembrará. Mas, se os envolvermos, eles entenderão.

Rasguem as fichas cadastrais. Criem outras. Desaprendam e aprendam novamente. Deletem conhecimento e busquem novos conhecimentos. Precisamos aprender a fazer de forma diferenciada o que temos feito de forma bem sucedida há anos.

Em épocas de crise, os Clientes ficam mais cautelosos, atentos, inseguros e temerosos. Para conquistá-los novamente ou apenas conquistá-los temos que ser capazes de reinventar a tradicional forma de aproximação.

Einstein sabiamente dizia que se fizermos alguma coisa da mesma forma sempre e esperarmos resultados diferentes, somos apenas loucos. Temos que mudar! Arriscar mais. Ousar mais.

Há uma diferença entre prestar um serviço excelente e praticamente já esperado por todos nós e verdadeiramente SURPREENDER e ENCANTAR o Cliente! Conheçam os seus clientes. Mas conheçam e não apenas juntem informações sobre eles. Agora... se coloquem na posição de Cliente... todos somos Clientes de alguém... e faça o seguinte exercício: Quem ultimamente lhe surpreendeu no ambiente de varejo ou serviço? Se a resposta for poucos... sua operação, marca, produto... pode estar nesta média baixa. ATENÇÃO!


Fonte: Por Carlos Ferreirinha - Presidente da MCF Consultoria & Conhecimento, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …