Pular para o conteúdo principal

A construção de marcas líderes mundiais

As marcas mais valiosas do mundo não são líderes por acaso. Executivos de comunicação de quatro entre as mais conhecidas, Coca-Cola, Johnson&Johnson (J&J), McDonald’s e Shell, apresentaram em evento da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA) por que essa representação simbólica – que vai além da logo e inclui reputação – pode concentrar até um terço do valor do patrimônio de uma empresa.

A Johnson&Johnson é uma organização com 123 anos de existência, e está desde 1933 no Brasil. A filosofia seguida por seus funcionários é inspirada no documento ‘Nosso credo’, carta de princípios escrita em 1943. “A construção das marcas hoje se sustenta também nos conceitos de responsabilidade social”, afirma Ricardo Alves Bastos, vice-presidente-executivo da J&J. “Em ‘Nosso credo’, texto com mais de 60 anos, já estava expressa nossa responsabilidade por funcionários, clientes, comunidades e, por fim, acionistas”.

Para Bastos, o fato de a marca figurar entre as dez mais durante 30 anos consecutivos é reflexo de um conceito que integra as áreas de marketing, jurídica e de relações públicas. “Na condição de marqueteiros, nos perguntamos como podemos nos conectar e mudar o comportamento das pessoas, principalmente dos jovens. Estamos cada vez mais convincentes na criação de objetos de desejo, e isso nos traz a necessidade de sermos mais responsáveis. Essa causa não é apenas nossa, engloba marcas, agências, consumidores, ONGs e governos”.

Sustentabilidade também foi a tônica da apresentação de Marco Simões, vice-presidente de Comunicação e Sustentabilidade da Coca-Cola Brasil. Baseada em 5 Ps do ‘Manifesto de crescimento’ (Pessoas, Planeta, Portfólio, Parceiros e Performance), a plataforma ‘Viva positivamente’ é o modelo de sustentabilidade da companhia. “Primeiro, fazemos direito e, depois, comunicamos”, resume. “A primeira campanha para difundir externamente o conceito será iniciada em junho”, adianta.

De acordo com Simões, o laço entre a marca Coca-Cola Brasil e as ações socioambientais será renovado na segunda edição da ‘Semana Otimismo que Transforma’, a ser realizada entre os dias 18 e 24 de maio. “Durante esses dias, dois centavos da renda de qualquer produto da companhia, incluindo refrigerantes, sucos, águas, chás e energéticos, serão destinados a projetos do Instituto Coca-Cola Brasil”.

Em sua apresentação, Mauro Multedo, vice-presidente de Marketing do McDonald’s, fez um passeio pelos processos, cenários e pela comunicação da marca dos arcos dourados em 30 anos de experiência – e crises – no Brasil. “A promessa do McDonald’s sempre foi oferecer algo diferenciado, e acredito que estamos conseguindo”.

Multedo traçou um panorama do tom da comunicação usado ao longo dos anos pelo McDonald’s. Em 1979, o slogan “Você vai gostar da diferença” apelava para o lado racional. Em 1986, foi introduzido um toque emocional com “Esse é o momento. Que gostoso que é”, substituído em 1994 por “Gostoso como a vida deve ser”. O posicionamento atual “Amo muito tudo isso” é voltado para jovens adultos (18 a 39 anos) e famílias.

A parceria entre a Shell e a Ferrari foi o tema da palestra de Ingrid Buckmann, gerente de Marca e Comunicação da Shell Brasil. Essa associação, bem-sucedida desde 1950, integra as duas companhias e tem sempre como cenário o automobilismo. “De acordo com pesquisas, a parceria é lembrada por 40% dos consumidores, e houve um aumento de 10% nessa percepção de 2007 para 2008”, conta Ingrid.

Mas, de que maneira as duas marcas puderam se integrar e, ao mesmo tempo, emprestar qualidades uma a outra? Uma série de ações é ativada, entre elas: promoções em redes de postos; anúncios e comerciais de TV; eventos comemorativos; trabalho de assessoria de imprensa e presença no Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1. “Estamos sempre difundindo os valores da marca Shell: dinâmica, inovadora e socioambientalmente responsável”.


Fonte: Por Christina Lima, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …