Pular para o conteúdo principal

Crise: É hora de provocar

Quando a crise chega, os velhos hábitos começam a ser questionados nas empresas e esse questionamento atinge todos os departamentos, principalmente o de vendas. Se vender em época de vaca gorda já é complicado, imagine quando a vaca vai para o brejo! Li um artigo estimulante e ousado que propõe uma nova forma de enfrentar as vendas em momentos difíceis. A proposta é arregaçar as mangas e adotar as “vendas por provocação”. Se dá certo não sei, mas que o artigo é provocativo, isso é.

O artigo está na HBR e foi escrito por alguns consultores americanos da TCG Advisors. Ele propõe que a venda de soluções, de produtos e de expertise sejam substituídas pela “venda baseada na provocação”.

Eles partem de algumas constatações. A primeira é que, na crise, a decisão orçamentária fica concentrada nas mãos do mais alto escalão da empresa, e isso quer dizer que o nível de diálogo muda, como deve mudar a argumentação e o approach. A segunda é que o orçamento das empresas para compras sempre é cortado.

Para os autores da TCG Advisors, nessas circunstâncias, o approach convencional de vendas já era. É preciso coragem e uma capacidade de diagnosticar com precisão os grandes problemas, as ameaças ao lucro do cliente. Tocar nesse ponto crucial com o cliente fará com que ele esteja mais disposto a ouvir você. Depois, com a atenção conquistada, você deverá “formular um ponto de vista provocante sobre a questão”. A provocação pode surgir discordando das premissas que baseiam as vendas do cliente, tradicionalmente. Discordar do que o cliente “sempre fez e sempre deu certo” pode ser uma saída (ou uma entrada) para uma atenção maior e uma verba maior para vendas.

Vejam como os autores do artigo se referem à venda por provocação: “a venda baseada na provocação ajuda o cliente a enxergar seus desafios competitivos sob uma nova perspectiva”. Ou seja, fazer o papel de grilo falante, aquele que faz as perguntas que ninguém teve coragem de fazer, e ajudar o cliente a repensar suas táticas.

Como dizem os autores, “na base da venda fundada na provocação, está a tese de que a empresa deve ajudar o cliente a achar recursos para investir mesmo quando a verba discricionária parece ter secado”. Eles citam o exemplo da Sybase, que viu seu orçamento limitado pelo cliente. “Em vez de usar o tempo precioso de uma reunião para descobrir o que vinha inquietando o cliente, o pessoal de vendas da Sybase se preparava para chegar nas reuniões e dizer o que deveria estar tirando o sono do cliente” e não está, ou porque o cliente é incapaz de enxergar por estar viciado nas formas tradicionais de trabalhar ou porque vê, mas não quer considerar por comodismo.

Na venda baseada na provocação o fornecedor identifica um processo crucial para o cliente no cenário econômico e vai além, “formula um argumento contundente sobre a falha do processo adotado e o que isso significa em termos de custo e, então, vincula o problema a uma solução que, ele, o fornecedor, oferece”. A provocação em vendas funciona quando a equipe está preparada para diagnosticar e expor um problema que o cliente já sente, “embora ainda não tenha dado nomes aos bois”.

Não é fácil ser contundente e às vezes ir de encontro à opinião do cliente. Dizer coisas que ele, cliente, sabe e que prefere ignorar porque incomodam, parece tarefa para amadores apenas corajosos, mas não é. Não basta a coragem. É preciso maturidade para identificar exatamente os problemas reais que tiram o sono do cliente e a solução correta para isso.

Afinal, em tempos de crise, as garras, todas elas, ficam muito mais afiadas e a desconfiança toma um lugar de importância nas empresas.


Fonte: Por Yara Peres, in Blog da Yara
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …