Pular para o conteúdo principal

Cuidado! O Viral vai pegar você

Atenção! Se recentemente você apresentou sintomas como surpresa, espanto, gargalhadas e uma vontade incontrolável de passar aquele e-mail para frente? Não há dúvidas. Você foi diagnosticado como portador do Marketing Viral. Isso mesmo. O mais curioso é que não contentes em contraí-lo, os infectados sentem prazer em contaminar os amigos, familiares, colegas de trabalhos e assim por diante. A forma de contágio é imprevisível. Você pode contraí-lo de diversas maneiras, mas na grande parte dos casos, você receberá um link com direcionamento para o YouTube.

Como na maioria das doenças, já está sendo desenvolvida uma vacina para combater o Marketing Viral. Estudos recentes mostram que na medida em que as pessoas vão sendo atingidas por uma quantidade absurda desse vírus, o seu sistema imunológico vai se ativando e ela começa a produzir anticorpos, ou seja, os internautas estão deixando de transmiti-lo, o que baixa consideravelmente sua eficácia.

Com a queda da audiência e os custos ainda altos de produção e veiculação da propaganda tradicional, as agências de publicidade estão se virando para conseguir chamar a atenção dos consumidores. Por conta disso, a cada dia são descobertas novas formas de contágio dessa epidemia. Além do YouTube, o viral já está sendo desdobrado a partir de blogs, hot sites, torpedos etc.

Mas, afinal, o que quer dizer o termo viral? Segundo a biologia, vírus é um ser, "uma coisa" que, literalmente, é inserida em um ambiente e nele se propaga. Sem confundir com correntes de mensagens, com e-mails de vendas e negócios, o Marketing Viral busca engajar o maior número de pessoas com um simples clique no botão “encaminhar este e-mail”. O objetivo dessa ação é captar dados de consumidores potenciais, oferecer produtos e serviços, propagar marcas e informações pelo mundo da web.

Entre os milhares de cases que “bombaram”, vale comentar a ação realizada pela Tic-Tac. A empresa patrocinou um garoto de 16 anos para fazer peripécias musicais com caixinhas de Tic-Tac ao redor do mundo. Uma idéia simples...que deu muito o que falar. Já o viral da Nike com o Ronaldinho chutando 5 bolas seguidas na trave todo mundo conhece. Ele é um dos mais bem sucedidos com milhões de visualizações. No final de 2008 começou a circular por aí um vídeo em que Biro-Biro desafia o craque fazendo algo ainda mais incrível que o feito do craque gaúcho e que também fez sucesso.

O mais intrigante e desafiador é que não dá para apontar uma característica comum entre a grande parte dos virais que caíram nas graças dos internautas, ou seja, a tal receita do sucesso.

Quem disse que é fácil convencer os consumidores na era da Web 2.0?


Fonte: Por Letícia Wiederkehr - executivo de Atendimento da LVBA, in Blog LVBA
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …