Pular para o conteúdo principal

Estratégia para o crescimento

As expectativas de retorno às condições de crescimento registradas antes da tão comentada crise financeira internacional levam todas as empresas a avaliar ou reavaliar seus processos internos na busca de patamares mais eficientes de operação. Nesse contexto, para ampliar suas chances de sucesso, com certeza as empresas precisam primar pela alta produtividade, eficiência operacional, custos baixos, gerenciamento preciso de estoques, bom atendimento a clientes, fornecedores, parceiros comerciais e, claro, a todos nós, consumidores.

As empresas que investem continuamente na automação e no gerenciamento da relação com parceiros comerciais e integração na cadeia de suprimentos, estão, sem dúvida, mais preparadas para enfrentar com sucesso os desafios conjunturais. É justamente em momentos mais sensíveis que as empresas, de todos os setores, têm de saber coletar, analisar e interpretar parâmetros macroeconômicos e traduzi-los como metas internas de produção e eficiência.

Portanto, as ferramentas da automação são imprescindíveis, pois são capazes de proporcionar segurança e mais precisão nesses processos, assim como o código de barras que identifica as mercadorias com baixos custos e garante a segurança no recebimento, controle de estoque e registro do cliente. Também é importante acompanhar as inovações: leitores que suportam o código de barras e permite aplicações para o controle de lotes ou datas de validade, ou ainda o EPC (Código Eletrônico de Produto), que utiliza tecnologia de identificação por radiofreqüência, assim como as ferramentas mais avançadas de sincronização de dados, como é o caso do GDSN (Global Data Synchronization Network).

Todos esses avanços contribuem significativamente para ampliar a visibilidade dos produtos e das informações ao longo de toda a cadeia de distribuição, desde a matéria prima até o consumidor final, conferindo maior precisão operacional. Cada segundo ganho nas várias etapas dessa cadeia - entre o momento em que o cliente identifica a necessidade de reposição, a sua efetivação e a venda ao consumidor final - representa ganhos importantes para o fluxo de caixa.

Exemplo bastante elucidativo de como a automação é essencial para a produtividade e maior eficiência encontra-se nos estabelecimentos varejistas, nos quais as cadeias de abastecimento se relacionam de modo direto com o consumidor final. A manutenção de operações rentáveis no comércio requer uma tomada de decisão imediata e freqüente, envolvendo grande número de produtos e altas somas. É essencial, portanto, a disponibilidade de informações precisas e instantâneas. Sem isso, é quase inviável manter foco total no negócio e ter o tempo adequado para assuntos estratégicos, como a busca redobrada de clientes e o esforço multiplicado em marketing.

Quais os produtos mais vendidos, em que época do ano, em que dia da semana? Há itens faltantes ou em excedentes no canal de distribuição? A entrega está dentro do prazo acordado? Respostas a perguntas como essas são fundamentais para entender o perfil de consumo/demanda, entender rapidamente suas mudanças, ter sempre o mix mais adequado de mercadorias e, portanto, manter índices positivos no volume de vendas, inclusive em situações de queda do nível de atividade econômica.

Em um momento em que é preciso muito foco em resultados e um amplo esforço nacional no sentido de que o Brasil mantenha sua curva de crescimento, a automação das empresas e das cadeias de suprimentos é elemento eficaz e altamente estratégico para a conquista das metas estabelecidas.


Fonte: Por Sergio Ribinik - CEO da GS1 Brasil, in www.clientesa.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …