Pular para o conteúdo principal

Fim de clubes faz vôlei rever patrocínio

Dois dias depois de perder o título da Superliga de Vôlei, no sábado passado, Paula Pequeno - eleita a melhor jogadora de vôlei feminino das Olimpíadas de Pequim - amanheceu sem emprego. Ela não foi a única. Carol Albuquerque, Sassá e Thaísa - também campeãs pela seleção brasileira nos Jogos de Pequim - e todo o time da Finasa/Osasco sofreram com o mesmo problema. Motivo: o clube que defendiam foi extinto.

O projeto tinha 20 anos e, em oito participações na competição, o time conquistou três títulos e cinco vice-campeonatos. Para especialistas, o fim do patrocínio da financeira do Bradesco demonstra a necessidade de se repensar o modelo de negócio dos times. Um dos fatores que desestimulam os patrocinadores é que algumas emissoras de TV se recusam a falar o nome completo das equipes - quando embutem a nomenclatura do patrocinador - durante as transmissões esportivas. Com menos visibilidade, as companhias podem optar por não renovar os acordos.

"Essa história se repete e deve servir de alerta", diz José Carlos Brunoro, presidente da Brunoro Marketing Esportivo. Para analisar o caso, ele relembra times que marcaram época, como a Pirelli e Atlântica/Boa Vista, protagonistas do vôlei nos anos 1980. Segundo ele, o modelo atual de patrocínio nasceu com essas duas equipes. Durante um bom tempo, as TVs citavam os patrocinadores, algo escasso nos dias de hoje. "Os patrocinadores da transmissão começaram a reclamar que as empresas apoiadoras dos times tinham mais destaque. Mas esquecem que, se não houvesse time, não haveria transmissão". Renato Chvindelman, sócio-diretor da Arena Marketing Esportivo, lembra que, com o modelo atual, talvez seja mais interessante apenas comprar a cota da transmissão.

Para Rafael Plastina, diretor de marketing da Informídia Pesquisas Esportivas, o modelo ideal passa por um contrato que defina o que, quanto e por quanto tempo será o patrocínio. "Lá fora começa assim, existe uma previsão", afirma. E acrescenta que, no atual sistema, na hora do "file mignon" (exposição na TV), só se ouve o nome da cidade, e não de quem banca o time. Ele acredita que existam brechas para outras negociações. Brunoro acrescenta que as confederações precisam encontrar um modelo, e cita o patrocínio do Açúcar União, em São Caetano do Sul, que durou três anos. "Ele era pontual e a modalidade não deixaria de existir porque tem o investimento da Prefeitura".

Os analistas são unânimes em afirmar que o reflexo do fim do patrocínio é pequeno sobre a marca Finasa, mas muito maior para o esporte. "O que pode gerar má interpretação para a marca é o momento do anúncio. No caso do Finasa, feito logo após a derrota", afirma Plastina. Já Brunoro acredita que o grupo Bradesco sofreria um revés de imagem se fosse um "oportunista que não atuasse na área de esportes".

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Finasa informou que o fim do patrocínio ao time adulto - os projetos sociais e a categoria de base continuarão a receber apoio - foi uma decisão da diretoria do banco. Informou também que metade do investimento no projeto - eram no total R$ 12 milhões - era viabilizada por meio de incentivos fiscais. "Ainda não sabemos o valor que será aplicado na categoria de base e nos núcleos de formação", diz Benedito Crispe, ex-supervisor do Finasa/Osasco.

Outro time em situação semelhante à do clube paulista é o Brasil Telecom/Brusque. A equipe foi dispensada no dia 16, depois da disputa pela 3ª colocação na Superliga. O supervisor da equipe, Marcelo Garim, diz que, desde a fusão da Oi/Brasil Telecom, não há posicionamento sobre a continuidade ou não do patrocínio. Procurada, a empresa limitou-se a confirmar o fim do patrocínio.

Harry Bollmann, supervisor da equipe Rexona-Ades, diz que a Unilever garantiu o patrocínio até o fim do ciclo olímpico (2012/13) e que, ano a ano, o valor do acordo é negociado.

Em nota, o presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), Ary Graça, lamentou a extinção dos times do Finasa/Osasco e da Brasil Telecom, "mas não vê motivos para qualquer tipo de pânico em relação à sobrevivência da competição, ao desemprego das atletas e de um possível efeito dominó que possa vir a oferecer um risco ao vôlei brasileiro". Ele diz que novos patrocinadores estão em negociações para participar da próxima edição do torneio.


Fonte: Por Neila Baldi, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 8
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …