Pular para o conteúdo principal

Mobilidade, o email marketing na palma da mão

A convergência digital – uma realidade no mercado brasileiro – levou várias empresas a desenvolver seus serviços pela Internet. Há algum tempo, já não precisamos sair de casa para ir ao banco, fazer compras, alugar DVDs, ou mesmo ligar o rádio para ouvir música, pois tudo está ali, online. O acesso à web e, consequentemente, ao mundo, já é mais do que comum. Tão comum que não precisa mais ser feito somente pelo computador. A inovação da tecnologia está gerando diferentes plataformas para acessarmos a internet, como celular, vídeo games, televisores etc... Destes dispositivos, citados, o de maior destaque, devido a mobilidade que ele nos proporciona, é o celular que, aos poucos, está sendo trocado pelo smartphone. Afinal, sabemos que o aparelho não serve apenas para telefonar, mas para inúmeras outras funções, praticamente semelhantes as que executamos em nossos notebooks ou desktops.

Só no Brasil, são cerca de 150 milhões de linhas móveis ativas, das quais 7,3% dos usuários acessam o mundo virtual via celular, ou seja, uma média de 11 milhões de pessoas (Pesquisa Nielsen). Porém, para acessar a web através desse multicanal de forma rápida e eficiente, os consumidores estão migrando para aparelhos mais ‘turbinados’, com tecnologia 3G (terceira geração de telefonia), especialmente os smartphones, que trazem maior capacidade de transmissão. Atualmente, o Brasil conta com 3,5 milhões de celulares 3G, aponta os dados da Nokia Siemens Networks.

O hábito de acessar a internet levou ao que já esperávamos: ler e responder emails. E, junto com isso, levou também mais oportunidades para empresas que desejam se comunicar diretamente e se beneficiam dos recursos propiciados pela evolução da tecnologia. Estamos em uma fase de mudança de comportamento e é preciso acompanhar esse processo para se manter no mercado.

O cenário é promissor e traz oportunidades que ninguém imaginava. Email marketing no celular? Diria email marketing na era da mobilidade. Sim, uma tendência que vai virar realidade a uma distância não tão grande assim. Só que, como em tudo que é novo, o planejamento é fundamental. Os acessos aos emails pelos smartphones ainda são tímidos, visto o tamanho populacional de nosso país. Mas, visto também a extensão rápida do uso do celular, não precisa ser especialista no assunto para saber que a aderência por esse tipo de comunicação será mais ágil do que prevemos.

Então? Chegou a hora de deixar a casa pronta, com ações iniciais que já podem ser aplicadas e alinhadas a essa tendência. O email marketing, como sabemos, é o único canal de mídia online que permite mensurar, além de quantos, quem se interessou pela sua comunicação. A estratégia de identificar perfis e segmentar continua e é fundamental, claro. Porém, a mudança está na aplicação.

A visualização do usuário de smartphone sempre, ou na maioria das vezes, é rápida. Portanto, a comunicação deve ser cada vez mais objetiva e, acima de tudo, com uma abordagem diferenciada. O campo visual é muito menor do que a tela de um computador, geralmente entre 2” ou 4”.

Mas, como diferenciar se sua visualização foi feita pelo smartphone ou computador? Sim, é possível identificar, em uma campanha de email marketing, de qual dispositivo o usuário acessou a mensagem. E, somente com essa mensuração pode-se mudar ou inovar nas estratégias de comunicação, considerando a criação direcionada para smartphones. E é aí que entra a preocupação com o trabalho de personalização das mensagens, pois, de acordo com a plataforma utilizada pelo destinatário para leitura, sua mensagem pode ser ou não lida.

No caso de ofertas para aquisição de produtos e serviços, é essencial entender que a compra provavelmente será feita através do computador. Claro que a tendência é que esse comportamento mude, porém hoje, os usuários estão utilizando o smartphone como filtro para eliminar de imediato emails irrelevantes, deixando apenas as mensagens importantes para uma interação posterior.

A chegada da tecnologia 3G propiciou a rápida aderência ao acesso a internet pelo celular. O número de pessoas que buscam por sistemas inovadores hoje só não é maior pela deficiência na capacidade de transmissão de dados. Mas sabemos que a tecnologia avança, ou melhor, corre.

Só acompanhará essa corrida quem decidir chegar primeiro. Mas, antes de tudo, planejar e aplicar a ética na comunicação continuam sendo estratégias fundamentais, mesmo quando falamos de email marketing no smartphone.

Preparar-se para as etapas só facilita a passagem para as próximas. Que venha a tecnologia 4G. Comunicação em voz, vídeo e dados...o triple play em uma escala ainda melhor do que a ‘já’ atual 3G.


Fonte: Por Walter Sabini Junior, in www.virtualtarget.com.br.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …