Pular para o conteúdo principal

Narcisistas são bons para escalar posições de liderança

Na atual era de executivos-celebridades, pergunta-se com frequên cia se líderes narcisistas são bons ou ruins para as empresas. Existem opiniões para todos os gostos, embora haja certo consenso de que os CEOs com egos excessivamente inflados podem representar grandes perigos. Eles tendem a assumir posições muito arriscadas e voláteis, criar ambientes de trabalho contraproducentes e, no limite, colocar o interesse próprio acima da companhia e dos outros. Apesar disso, é muito comum encontrar presidentes de empresas com fortes traços de narcisismo. Para entender por que isso acontece, pesquisadores da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, realizaram três testes tentando relacionar a personalidade narcisista com a habilidade de assumir posições de liderança.

Os testes foram feitos com grupos distintos, que envolviam estudantes universitários e executivos participantes de um MBA. Em um dos testes, 153 executivos foram divididos em grupos de quatro e receberam uma tarefa fictícia: definir como aplicar uma grande doação a uma universidade, do ponto de vista da reitoria. Eles tinham uma hora para avaliar as informações dadas e mais uma hora para chegar a um consenso. Todos passaram por testes psicológicos com o intuito de definir seus perfis. O exercício foi observado por especialistas, e novos testes foram feitos após o final. As análises comprovaram a tese inicial dos pesquisadores: as pessoas mais narcisistas foram vistas como líderes do grupo tanto pelos colegas como por si mesmas.

Os outros dois testes chegaram às mesmas conclusões. Um deles, porém, tentou demonstrar ainda se os líderes narcisistas se saíam melhor nas tarefas. Desta vez, 408 estudantes foram distribuídos em pequenos grupos que tinham de escolher 15 itens de uma lista de equipamentos a serem levados para uma ilha deserta após um naufrágio. Na dinâmica, foram obedecidos os mesmos procedimentos de avaliação de personalidades e, mais uma vez, os mais narcisistas assumiram a liderança. No entanto, os grupos comandados pelos maiores egos não obtiveram um resultado melhor do que os outros. Um especialista em resgates e sobrevivência em naufrágios fez a avaliação das escolhas. “Não encontramos relação entre narcisismo e (bom) desempenho”, concluem Amy B. Brunell, professora de psicologia em Ohio, e seus colegas no trabalho. Por trás do bom desempenho dos narcisistas, segundo os pesquisadores, estão qualidades normalmente relacionadas a esse tipo de personalidade, como extroversão, autoconfiança e facilidade para se relacionar. Segundo eles, essas são características que agradam a colegas e escondem problemas que tendem a ser percebidos com o tempo, como a incapacidade de estabelecer empatia e ouvir, ou a arrogância.

Mas nem todo mundo concorda que um líder narcisista é sinônimo de problemas. Michael Maccoby, consultor especializado em liderança, defende que os narcisistas têm muitas qualidades como líderes. Ele escreveu um livro sobre o assunto: The Productive Narcissist: The Promise and Peril of Visionary Leadership (“O narcisista produtivo: as promessas e os perigos da liderança visionária”). A tese é que essas personalidades têm grande capacidade de visão e implementação. Tendem a ser transformadores, como Jack Welch, o ex-presidente da GE. Maccoby concorda, porém, que os narcisistas devem tomar cuidado e manter em cheque suas atitudes para evitar os extremos de sua personalidade. O problema, lembrariam os pesquisadores de Ohio, é que olhar para as próprias falhas não é exatamente um hábito narcisista.

Na atual era de executivos-celebridades, pergunta-se com frequên cia se líderes narcisistas são bons ou ruins para as empresas. Existem opiniões para todos os gostos, embora haja certo consenso de que os CEOs com egos excessivamente inflados podem representar grandes perigos. Eles tendem a assumir posições muito arriscadas e voláteis, criar ambientes de trabalho contraproducentes e, no limite, colocar o interesse próprio acima da companhia e dos outros. Apesar disso, é muito comum encontrar presidentes de empresas com fortes traços de narcisismo. Para entender por que isso acontece, pesquisadores da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, realizaram três testes tentando relacionar a personalidade narcisista com a habilidade de assumir posições de liderança.

Os testes foram feitos com grupos distintos, que envolviam estudantes universitários e executivos participantes de um MBA. Em um dos testes, 153 executivos foram divididos em grupos de quatro e receberam uma tarefa fictícia: definir como aplicar uma grande doação a uma universidade, do ponto de vista da reitoria. Eles tinham uma hora para avaliar as informações dadas e mais uma hora para chegar a um consenso. Todos passaram por testes psicológicos com o intuito de definir seus perfis. O exercício foi observado por especialistas, e novos testes foram feitos após o final. As análises comprovaram a tese inicial dos pesquisadores: as pessoas mais narcisistas foram vistas como líderes do grupo tanto pelos colegas como por si mesmas.

Os outros dois testes chegaram às mesmas conclusões. Um deles, porém, tentou demonstrar ainda se os líderes narcisistas se saíam melhor nas tarefas. Desta vez, 408 estudantes foram distribuídos em pequenos grupos que tinham de escolher 15 itens de uma lista de equipamentos a serem levados para uma ilha deserta após um naufrágio. Na dinâmica, foram obedecidos os mesmos procedimentos de avaliação de personalidades e, mais uma vez, os mais narcisistas assumiram a liderança. No entanto, os grupos comandados pelos maiores egos não obtiveram um resultado melhor do que os outros. Um especialista em resgates e sobrevivência em naufrágios fez a avaliação das escolhas. “Não encontramos relação entre narcisismo e (bom) desempenho”, concluem Amy B. Brunell, professora de psicologia em Ohio, e seus colegas no trabalho. Por trás do bom desempenho dos narcisistas, segundo os pesquisadores, estão qualidades normalmente relacionadas a esse tipo de personalidade, como extroversão, autoconfiança e facilidade para se relacionar. Segundo eles, essas são características que agradam a colegas e escondem problemas que tendem a ser percebidos com o tempo, como a incapacidade de estabelecer empatia e ouvir, ou a arrogância.

Mas nem todo mundo concorda que um líder narcisista é sinônimo de problemas. Michael Maccoby, consultor especializado em liderança, defende que os narcisistas têm muitas qualidades como líderes. Ele escreveu um livro sobre o assunto: The Productive Narcissist: The Promise and Peril of Visionary Leadership (“O narcisista produtivo: as promessas e os perigos da liderança visionária”). A tese é que essas personalidades têm grande capacidade de visão e implementação. Tendem a ser transformadores, como Jack Welch, o ex-presidente da GE. Maccoby concorda, porém, que os narcisistas devem tomar cuidado e manter em cheque suas atitudes para evitar os extremos de sua personalidade. O problema, lembrariam os pesquisadores de Ohio, é que olhar para as próprias falhas não é exatamente um hábito narcisista.


Fonte: epocanegocios.globo.com
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …