Pular para o conteúdo principal

O joio e o trigo

O evento mais importante das relações públicas norte-americanas é o Spring Seminar, realizado anualmente pela Arthur W. Page Society, que é uma comunidade que congrega os comunicadores das maiores empresas e agências do mundo e um grupo escolhido de professores doutores, reconhecidos mundialmente por suas pesquisas e obras. Agora, em abril, em Nova Iorque, lá estavam, entre os participantes do encontro, os professores James E. Grunig, Paul Argenti e Howard Gardner.

O tema deste ano foi as relações públicas em meio as incertezas causadas pela crise financeira mundial, discutido por estrelas do jornalismo econômico internacional, autoridades do governo norte-americano e especialistas de setores que estão no olho do furacão, especialmente a indústria automobilística. Destacaram-se, entre os speakers, Vijay Vaitheeswaran, correspondente da The Economist, nos Estados Unidos, e Charles Gasparino, colunista do New York Post e editor da CNBC.

Foram dois dias em que se falou muito de gente como Bernard Madoff, ex-presidente da Nasdaq, enjaulado por ter desaparecido, tal como um mandrake pós-moderno e do mal, mais de 50 bilhões de dólares. E, como uma decorrência dos crimes financeiros, falou-se, também, da forma como se comportaram, em meio à crise e aos seus escândalos, os comunicadores empregados nas empresas, protagonistas das lambanças.

O jornalista Charles Gasparino, especialista em Wall Street, autor do livro "King of the Club: Richard Grasso and Survival of New York Stock Exchange", afirmou para a platéia de comunicadores das maiores corporações do mundo que a crise financeira revelou o pior tipo de relacionamento entre as empresas e a imprensa. Um tipo de relações públicas especializada em esconder a verdade sobre os problemas financeiros e fazer a maquiagem retórica e corporal de gente sem conserto. Um trabalho de mediatraining sujo que prejudicou, como se todos fossem iguais, a imagem e a reputação dos comunicadores empresariais e das relações públicas.

Já do lado dos jornalistas especializados em economia, apareceram mal aqueles profissionais que não passavam de simples difusores de informações elaboradas de maneira mais sofisticada pelas empresas financeiras em crise. Uma espécie de release pós-moderno que esconde o trabalho de jornalista malfeito ou engajado em interesses não-jornalísticos.

O corresponde da The Economist, nos Estados Unidos, Vijay Vaitheeswaran, lembrou que é hora das corporações comunicarem os seus valores éticos e manterem o que fazem de melhor. Em resumo que é a hora de sustentar a boa comunicação empresarial.

As exposições e os debates do Spring Seminar, da Arthur W. Page Society, semearam entre os comandantes da indústria e da teoria da comunicação empresarial global que é o momento de radicalizar a separação entre os trabalhos de relações públicas e de jornalismo, para o bem da reputação das duas atividades. Pela simples razão de que os campos das relações públicas e do Jornalismo - competentes, legais e legítimos - têm objetivos diferentes. No ar, ficou a sensação de que, em tempo de muito joio, é preciso separar o trigo do trigo.


Fonte: Por Paulo Nassar, in www.aberje.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …