Pular para o conteúdo principal

O Vendedor X O Tirador de Pedidos

Qualquer gerente comercial pode facilmente distinguir entre um profissional de vendas que conhece o consumidor e as mercadorias que comercializa e utiliza esse conhecimento de maneira eficiente, do “tirador de pedidos”, que pode ser uma pessoa agradável, mas simplesmente preenche um formulário de compra e possui pouco entendimento sobre os consumidores, e, até mesmo, sobre as mercadorias que oferece. Enquanto o vendedor influência o processo de decisão de compra do consumidor, o “tirador de pedidos” desempenha um papel estritamente passivo.

A passividade é comum no ponto-de-venda hoje, mas nem sempre foi assim. Há cem anos, varejistas costumavam desempenhar um papel bem mais participativo no atendimento aos seus clientes. Isso ocorria antes da popularização do modelo de varejo “self-service”, quando a venda pessoal era a regra.

É evidente que não vamos questionar a eficiência no atendimento em larga escala do modelo “self service”, que beneficiou shoppers, varejistas e indústrias. Esse modelo trocou a venda pessoal por uma vasta máquina comercial que depende da publicidade de massa para substituir o caráter pessoal do processo de venda. Além disso, o modelo pressupõe que dentro das lojas os shoppers são os únicos responsáveis pelo processo de compra.

O contato pessoal nas vendas não deve voltar às lojas tão cedo. Ao invés disso, há em curso um enorme esforço para adaptar a máquina de comunicação em massa à experiência dentro do ponto-de-venda. Essa é uma abordagem inapropriada e pouco efetiva, criada em parte pela negligência da importância do contato pessoal dentro do ponto-de-venda.

Entretanto, existem oportunidades reais para o desenvolvimento de estratégias baseadas em princípios de venda pessoal. Inicialmente, consideremos a inexorável força da tecnologia no processo de venda.

Se observarmos os elementos atuais do processo de venda, veremos que o varejo on-line se tornou muito mais parecido com a venda pessoal, que ocorria antigamente, do que os pontos-de-venda físicos. Ao acessar uma loja virtual, o consumidor é imediatamente reconhecido pelo nome e recebe ofertas personalizadas, de acordo com o seu interesse – baseadas no histórico de suas compras. Além disso, o caminho para completar a transação é curto, levando somente alguns cliques, em concordância com a primeira regra da venda pessoal: venda rápido para vender mais.

Espero que você não entenda mal a minha afirmação de que o varejo on-line está um passo a frente dos pontos-de-venda tradicionais. Isso não significa que o varejo se tornará estritamente on-line. O contato pessoal faz parte da verdadeira essência do varejo.

Já observamos a introdução de inovações tecnológicas dentro do ponto-de-venda. Um bom exemplo disso é o Modiv Shopper, um aparelho portátil para ser usado durante a jornada de compra. O dispositivo permite uma comunicação direta entre o shopper e o varejista, similar a que ocorre no ambiente digital, com a vantagem de que o consumidor está dentro da loja sendo impacto por uma série de peças de merchandising. Isso significa que, enquanto os varejistas fazem ofertas relevantes ao consumidor, no lugar e momento certos, o shopper pode efetuar transações. O resultado é uma venda muito mais rápida, o que significa, de acordo com a regra do varejo, um volume maior de vendas.

O ponto principal não é implantar a Internet nos pontos-de-venda a qualquer preço, mas sim reconhecer que podemos aprender com os varejistas on-line. A atuação do varejo na Internet foi bem sucedida, pois se baseou no contato pessoal com os consumidores. Então, a questão é: por que esperar a tecnologia para incorporar a “venda pessoal” no seu planejamento para o varejo? Não se trata de tecnologia e sim de vendas.


Fonte: Por Herb Sorensen - Ph.D e Diretor da TNS Retail and Shopper Insights, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …