Pular para o conteúdo principal

Tecnologia e ciência desbancam intuição

Prever o comportamento do consumidor tem sido o Santo Graal de marqueteiros desde o início do século 20. Mas as tentativas de injetar ciência nas previsões se mostraram elusivas por décadas. Para muitas indústrias, determinar o que vai dar certo tornou-se mais uma arte – ou um chute – do que ciência. A internet, a neurociência e a matemática estão mudando essa realidade. Um levantamento recente feito por um professor do MIT (Massachusetts Institute of Technology) e uma pesquisadora da consultoria Accenture mostra como a tecnologia está desbancando a adivinhação.

A primeira geração de tecnologia de previsões, chamada de filtro colaborativo, é a mais conhecida. Esse é o sistema que qualquer usuário do site Amazon.com conhece. Ele verifica, por exemplo, que 90% das pessoas que compram o item A também compram o B. Logo, o produto B pode ser oferecido sempre que alguém compra o A. Várias empresas apostam nas recomendações para aumentar as vendas. A espanhola Acquamedia Technologies afirma que seu software para recomendar música por celular aumenta a compra entre 15% e 20%.

Um problema que os filtros colaborativos ainda não conseguiram resolver: eles não funcionam para prever o sucesso de produtos novos. Outro é que eles não conseguem detectar se o consumidor está comprando algo para outra pessoa – o que diminui a chance de ele se interessar por uma nova oferta.

Os limites dos filtros colaborativos levaram ao desenvolvimento de vários outros métodos de previsão e sugestão. Uma técnica relativamente nova leva um nome complicado, Análise Bayesiana da Decisão. A ideia, neste caso, é atribuir qualidades para um produto. Um livro, por exemplo, pode ser classificado por seu gênero (policial), tema (policial durão se vinga de bandidos), tom (tenso, agitado, violento), avaliação feita por críticos e assim por diante. Uma análise sobre os livros que uma determinada pessoa ou grupo gosta pode levar tanto a sugestões de vendas parecidas como a ideias para criar produtos semelhantes.

A americana ChoiceStream usa essa técnica para redes de varejo. Um estudo recente da empresa feito nos Estados Unidos e publicado no seu site afirma que 20% dos consumidores compraram um item que lhes foi oferecido por um sistema de ofertas e que a maioria dos consumidores (71%) leva em consideração essas ofertas.

Prever o sucesso de um produto é mais difícil, mas há empresas buscando soluções também baseadas em atributos. A britânica Epagogix desenvolveu um programa para tentar prever o sucesso de filmes baseado nos atributos de seu script. Em um teste feito para um fundo de investimentos, a empresa previu que o filme Bem-vindo ao Jogo, de 2007, iria ser uma bomba nas bilheterias. Com dois atores de peso, Eric Bana e Drew Barrymore, e custo de US$ 50 milhões, a Epagogix antecipou que ele arrecadaria US$ 7 milhões. A empresa acertou no alvo: a arrecadação foi de US$ 6 milhões.

Outro conjunto de soluções está explorando as redes sociais na internet ou a análise de grupos. A ideia por trás das redes sociais é que se os seus amigos gostam de um certo tipo de produto é possível que você goste também. O importante é identificar os grupos certos e fazer as ofertas . No campo da análise de grupos, uma solução curiosa são os mercados de previsão. Nesse caso, cria-se uma bolsa de apostas de consumidores sobre o possível sucesso de um produto. Depois, analisam-se as apostas para chegar a uma previsão. De novo a indústria dos filmes tem bons exemplos. A Bolsa de Valores de Hollywood usa as apostas de seus participantes para avaliar as chances de sucesso de uma produção. As previsões têm sido tão precisas quanto as de especialistas.

Na ponta mais sofisticada dessas iniciativas está o uso de respostas biológicas ou neuronais para entender o que faz com que as pessoas comprem algo. Isso inclui da medição de ondas cerebrais até a tentativa de entender matematicamente por que uma música agrada. Uma empresa chamada Platinum Blue Music Intelligence, por exemplo, está usando fórmulas matemáticas para desmembrar músicas e descobrir os padrões que levam ao sucesso.

Os pesquisadores responsáveis pelo estudo, Thomas Davenport e Jeanne Harris, afirmam em seu relatório que as novas tecnologias estão abrindo grandes oportunidades, mas fazem um alerta. “É importante que os executivos evitem o extremo. Esses sistemas não são substitutos para os processos de decisão nem fornecem respostas automáticas e infalíveis. O uso dessas ferramentas não acaba com a necessidade de julgamento empresarial e cultural.” Os músicos e diretores de filmes agradecem.


Bolsa de Valores de Hollywood – É um jogo na internet que permite aos jogadores que comprem ações de atores, diretores e de filmes a serem lançados. Os estúdios usam a bolsa para tentar prever sucessos. O dinheiro usado no game é virtual


Fonte: epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …