Pular para o conteúdo principal

Virtude rende lucros

Meu amigo Luiz Edmundo Prestes Rosa, do grupo Accor, costuma dizer que as empresas são feitas por pessoas, para servir pessoas. Cabe a pergunta: uma filosofia de gestão baseada nos chamados valores humanistas poderia aumentar a eficiência das empresas prestadoras de serviços? Esta é uma questão que me preocupa há muito tempo e pessoalmente estou convencido disso. Por valores humanistas entenda-se uma gestão que faz do ser humano o objeto e a medida. O potencial de desenvolvimento que existe em cada pessoa é inesgotável e pode ser canalizado para os objetivos da empresa, em um ambiente com valores éticos elevados, transparência e oportunidades de realização pessoal e profissional.

Foi exatamente essa a impressão que ficou depois das conversas que tive com duas brilhantes empreendedoras que adotam estilos humanistas de gestão. A primeira é Chieko Aoki, fundadora e presidente da rede de hotéis Blue Tree, em rápida expansão no Brasil e em outros países. A vida de Chieko Aoki se parece com um conto de fadas e sua varinha de condão é o conteúdo humanista de sua gestão. Em um setor onde a qualidade dos serviços é fundamental, como é o ramo hoteleiro, eis como ela define o seu conceito de servir: “Servir não diminui; pelo contrário, só enriquece. Acho que o ser humano está neste mundo para ajudar o próximo e não apenas para viver para si mesmo. Somos felizes quando as pessoas que nos cercam também são felizes”. A própria Chieko complementa: “Daí à inovação é apenas um passo. Estamos sempre criando novos serviços que tornam mais agradável a estada de nossos hóspedes”.

A outra conversa foi com Luiza Helena Trajano, diretora-superintendente do Magazine Luiza. Eu já sabia que o que mais distingue essa rede de lojas é o tratamento amigável dispensado aos clientes e a impressão que dão os vendedores, de procurar sempre a melhor solução para o consumidor. Quando comentei isso com a Luiza Helena, eis o que ela respondeu: “Quando assumi a direção do Magazine Luiza, procurei alguns bons exemplos em outras empresas. Notei que existiam aquelas que eram muito lucrativas e onde todos pareciam infelizes, e as pouco lucrativas, onde todos pareciam sentir-se bem. Perguntei-me, então: não seria possível juntar o melhor dos dois mundos?”.

Parece que ela conseguiu, como atestam o sucesso de sua loja e o clima que existe lá. Mas não poderíamos encerrar este artigo sem lembrar que uma gestão rica de valores humanistas também dá bons resultados na indústria ou em qualquer outro setor. Aplicada à indústria de produtos para o consumidor, como na Natura ou na Toyota, a gestão humanista contribui para transformar a prestação de serviços em objetivo central da empresa, fazendo do produto um mero componente. A Natura, por exemplo, diz que seu negócio é “ética e estética” e a Toyota transformou-se na maior montadora do mundo, fiel ao lema “um cliente é para sempre”.


Fonte: Por Francisco Gracioso, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …