Pular para o conteúdo principal

Andrew Keen versus web 2.0

Controverso, remando contra a maré da incensada web 2.0, Andrew Keen é crítico da proliferação exagerada de blogs e considera a internet uma atmosfera inconsequente e narcisista. Suas ideias estão no livro ‘O culto do amador – Como blogs, MySpace, YouTube e a pirataria digital estão destruindo nossa economia, cultura e valores’, lançado este ano no Brasil pela Jorge Zahar Editor.

O historiador inglês, ex-professor das universidades de Berkeley e Massachusetts, nos Estados Unidos, investe pesado contra a celebração do amadorismo representado pela interatividade facilitada de serviços, como Wikipedia e YouTube. Em entrevista ao Nós da Comunicação, Keen mostra porque é a voz dissonante da web colaborativa.

Nós da Comunicação – É fácil concordar quando você defende que a internet estimula a criação de uma subcultura digital. Mas dizer que a web está matando nossa cultura não é um exagero? Uma pessoa, hoje, com o mínimo de discernimento, não sabe que não pode confiar 100% nas informações da Wikipedia, por exemplo?
Andrew Keen – A noção de que a internet está matando nossa cultura é uma vulgarização da relação causal existente entre tecnologia e cultura. Em vez de ser um efeito colateral de nossa cultura, a internet é realmente nossa cultura. Então, quando olhamos para a Rede, estamos encarando a nós mesmos. É um espelho que nos diz o modo como pensamos sobre nós mesmos.

Nós da Comunicação – Grandes empresas de mídia não são capazes de coexistir com os milhões de blogueiros pelo mundo postando notícias? No fim das contas, o bom jornalismo é feito de credibilidade. Em sua opinião, por causa do volume imenso de informação e fragmentação, os leitores não estão mais conseguindo separar o joio do trigo?
A. K. – Sim, o jornalismo realmente é feito de credibilidade, e esse é o real problema atualmente. Você sugere que pessoas com o mínimo de informação sabem que nem tudo que está na Wikipedia está correto. Mas isso está errado. Muitas crianças confiam na Wikipedia e no Google como se fossem fontes absolutamente confiáveis (pergunte aos pais e professores, que confirmarão isso). Vivemos em uma era com muita credibilidade quando, na verdade, o que precisamos é ceticismo. A única maneira de lidar com a web 2.0 é sendo incrédulo, e incredulidade é um dos recursos mais escassos ultimamente em nossa evangélica cultura popular.

Nós da Comunicação – Como você responde às críticas do jornalista Jeff Jarvis, autor do popular blog BuzzMachine, que definiu você como ‘grosseiro, um conservador tentando se agarrar ao passado, um mastodonte rosnando contra o vento da mudança’?
A. K. – Respondo rosnando, latindo e cheirando o traseiro dele.

Nós da Comunicação – Em 2006, a revista ‘Time’, em vez de conceder seu tradicional prêmio ‘personalidade do ano’ a uma pessoa, estendeu a premiação aos criadores individuais de conteúdo, “You” (“Você”). O que você achou disso?
A. K. – Achei o auge do absurdo do movimento web 2.0, e eu estava certo. Desde então, todo esse movimento de usuário gerando conteúdo passou a entrar em declínio. Agora, nem o YouTube, o terceiro local mais visitado da web, consegue ganhar dinheiro. Como disse anteriormente, quando olhamos para a internet, olhamos para nós mesmos. Então, esse ‘Você’ é, na realidade, você e eu. O prêmio foi um exemplo desavergonhado de narcisismo digital. Os gregos – que inventaram o mito de Narciso – teriam se divertido muito.

Nós da Comunicação – Você realmente pensa que conteúdo de boa qualidade só pode ser o pago e produzido necessariamente por profissionais?
A. K. – Um profissional é alguém que é pago por seu trabalho; um amador faz isso de graça. Acredito que o bom conteúdo deve ser recompensado financeiramente, porque é preciso tempo e energia para produzi-lo. Quando esse criador não é remunerado e tem de ter outro emprego para manter seu trabalho criativo, então, é provável que esse resultado seja inferior.

Nós da Comunicação – Existe algum lado positivo na democratização da internet?
A. K. – Sim, existem muitos aspectos positivos. Fico empolgado quando vejo que a mídia tradicional está sendo forçada a se transformar radicalmente. Sou um grande admirador de serviços em tempo real, como Twitter e Friendfeed, e sou a favor de capacitar jovens jornalistas, cineastas e escritores, que têm sido ignorados pela grande mídia. O desafio, porém, é ter certeza de que há o talento, e não seja apenas autopromoção sendo recompensada. Temo que por trás da ‘democratização da internet’ esteja uma nova oligarquia de aristocratas da autopromoção que moldará nossa cultura, a seu capricho.


Fonte: Por Christina Lima, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …