Pular para o conteúdo principal

Como gerenciar conflitos

O especialista em comportamento organizacional e autor de 15 livros sobre o tema fez uma análise dos processos envolvidos através de vários casos estudados por ele. Nigel compara a família a um vaso. “Se uma família tem uma empresa, estará sujeita a várias pressões e as rachaduras do vaso aparecem. Algumas exibem tantas rachaduras no vaso que não deveriam nem ter um negócio”, explicou.

Para Nicholson, conflito é uma forca construtiva dentro da sociedade. A família consegue realizar muito se estiver junta. Porém, há conflitos internos que têm de ser administrados. Alguns são previsíveis, como entre pais e filhos. É o instinto dos pais de controlar seus filhos. Então é normal que as crianças se afastem para tomar o próprio rumo. Uma segunda fonte de desentendimentos é a relação entre irmãos.

Competem por espaço na família, por recursos e por atenção. Os mais velhos, em geral, representam a ortodoxia e os mais jovens costumam ser os mais rebeldes. O casal em si também representa uma fonte de atritos. “Essa tensão dos diferentes ramos da família traz um alto nível de complexidade para a empresa familiar”, disse Nigel.

Quando a família fica contra o negócio um destrói o outro. Para ilustrar essa situação, o especialista cita o caso dos Waxman. A empresa inglesa da área de sucata terminou falida após uma intensa batalha judicial entre os dois herdeiros. Depois do falecimento do patriarca Isaac, os irmãos Chester e Morris começaram a se desentender. Chester acabou ludibriando Morris e ficando com suas ações. Mas alguns anos mais tarde, o filho de Morris foi aos tribunais. “Hoje os dois lados não se falam. E um caso clássico. Não entediam as forcas que estavam atuando”, afirmou o professor da London Business School.

O caso da família Gucci, de acordo com Nicholson, mostra que, se a família não corrigir as próprias fraquezas, isso pode destruí-la. O especialista chamou a história do império da moda de uma “ópera italiana trágica”. O patriarca era distante e autoritário e um dos filhos, Aldo, era o líder dos negócios da família. Ele tinha três filhos que estavam sempre brigando. E um deles, Paolo, acabou sendo excluído do processo pelo irmão Roberto. O herdeiro que ficou à margem foi a forra, criando seu próprio negócio. No fim da história, Paolo acabou levando o próprio pai à prisão ao denunciá-lo por sonegação de impostos. “Esse é a história de uma cultura totalmente descontrolada”, resumiu Nicholson. Para o especialista o caso ensina duas lições importantes: Conheça suas fraquezas e corrija-as antes que elas o destruam; e rancor e animosidade não devem ser passados adiante.

Nigel Nicholson explica que a situação sai dos trilhos, em geral, porque os líderes falham no auto-controle e auto-avaliação. Muitos ficam alienados da verdadeira realidade das forças em torno do negócio. “Basicamente há necessidade que os líderes estejam abertos a aprender e a ser inovadores. Ou seja, tenham projetos fortes e façam auto-análise e reflexão. Isso tem a ver com o quanto se adaptam ao mundo.”

Há cinco fatores que costumam intensificar os conflitos:
• Erros de influência: é importante saber quem ouve quem e porque. Se alguém tivesse ouvido alguma autoridade externa o conflito pode ser evitado.
• Histórias e teorias: há uma tendência de haver histórias familiares de quem faz o que. Cuidado com as narrativas destrutivas, como “há algo errado com X”, “você é igual a Y” ou ainda “tenho direito de agir assim”
• Jogos familiares: várias tramas e armadilhas devem ser evitadas. São jogos como os sucessórios – “adivinhe quem será o próximo…”; de competições – “vá firme, prove que você é melhor que seu irmão”; armadilhas estruturais – “se enquadrem, trabalhem juntos”; de poder – “quero ver você tomar isso de mim”; do ego – “leia minha mente e cumpra meus desejos”.
• Falta de governança básica: muito comum em várias empresas familiares. A situação pode chegar ao ponto de a família ter de se desfazer do negócio para ficar em paz novamente. Não se pode montar uma empresa na qual cada um fala por si só.
• Má gestão dos conflitos: se em lugar de resolver logo deixa-se a febre aumentar o resultado é desastroso. Algumas regras básicas são: não tratar o dinheiro como uma resposta para tudo; não ignorar o elefante que está no meio da sala; e saber descentralizar.

No fim da palestra, Nigel Nicholson apresentou um check list básico para as empresas familiares fazerem uma auto-avaliação e antecipar os sinais de advertência:

• Mudanças súbitas de comportamento
• Reclamações de injustiças
• Erros incomuns e elementares
• Falha na comunicação
• Decisões tomadas tardiamente
• Discordâncias sobre o processo
• Metas e responsabilidades vagas
• Falta de contato entre as pessoas
• Percepções de privilégios
• Incapacidade de abrir mão
• Recompensas iníquas
• Falta de vozes independentes
• Planejamento falho
• Nenhum diálogo franco e sincero
• Rotatividade de altos executivos
• Fofocas e maledicência
• Facções
• Nepotismo
• Parasitas
• Líderes relutantes


Fonte: HSM Online
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …