Pular para o conteúdo principal

Comunicação voltada para setor de eventos e viagens corporativas

Repensar papéis e responsabilidades foi a ordem do dia no Seminário organizado pelo Comitê de Turismo da Britcham (www.britcham.com.br) em São Paulo/SP. O evento reuniu profissionais dos setores de hotelaria e viagens corporativas pra discutir os desafios e oportunidades na área de eventos e viagens corporativas em cenários instáveis. Foi conduzido pela coordenadora do Comitê de Turismo da Britcham, Carolina Negri, e contou com a presença de aproximadamente 40 executivos. Durante uma manhã, as palestras abordaram desde aspectos do marketing e da estratégia para combater a crise até questões técnicas do segmento de agências de turismo e de viagens corporativas, incluindo uma bela apresentação do trabalho de relações públicas promovido pela UBRAFE para divulgar as feiras brasileiras no exterior.

Em um momento de instabilidade, quando ainda não é possível determinar o alcance e a duração de uma crise financeira como a atual, não se pode ficar de mãos cruzadas esperando que as coisas melhores por si próprias. Em sua palestra, o vice-presidente de desenvolvimento setorial da Associação de Marketing Promocional/Ampro (www.ampro.com.br ), Jorginho Medauar, deu uma injeção de ânimo na platéia, convocando a todos para “pensar fora da caixa”. A crise pode ser uma oportunidade para aqueles que sabem aproveitá-la, explicou Jorginho, valendo-se de um velho ditado: “Enquanto uns choram, eu vendo lenços”. Além de repensar as atividades e responsabilidades de cada um com o intuito de encontrar alternativas para encantar o cliente, Jorginho também recomenda uma auto-análise para que cada um perceba o “impacto do seu serviço, do seu produto, na vida das pessoas. Não basta gostar do que se faz, é preciso acreditar no que se faz.”

Ao abordar esta mesma temática do “thinking outside the box”, a diretora executiva do capítulo brasileiro da Meeting Professionals International/MPI (www.mpibr.org), Beth Wada, deu um exemplo claro do que é preciso fazer, a partir de sua longa experiência na rede hoteleira. “Contrato padrão é coisa do passado. Você não pode mandar para um cliente que vai organizar um evento-relâmpago em seu hotel na próxima semana aquele contrato padrão com cláusula de cancelamento de 30 dias de antecedência.” Beth recomenda que todos, neste momento, desliguem seus comandos automáticos para entender o cliente e para oferecer um efetivo atendimento personalizado, que não fique apenas nas palavras.

Na opinião da diretora executiva do capitulo brasileiro da MPI, a palavra-chave do momento é comunicação. Não se pode mais admitir que um hotel coloque um estagiário ainda não totalmente treinado para atender ao telefone do setor de eventos. “É preciso ter a noção de que o cliente que liga para o hotel e pede a área de eventos já superou uma série de obstáculos e está relativamente bem-informado, necessitando de dados precisos e objetivos para tomar sua decisão.”

Beth apresentou também o esforço da entidade que representa, no sentido de conscientizar a sociedade norte-americana sobre a importância do setor de eventos. Carta aberta enviada ao presidente Barack Obama e um site bem estruturado são peças importantes para mostrar à sociedade que eventos não são o problema. São parte da solução. Há ainda uma ampla pesquisa do segmento que já é realizada há nove anos em parceria com a American Express, e cujos resultados estão disponíveis na internet.

ATUALIZAÇÃO - Para falar sobre o segmento de viagens corporativas, a Britcham convidou o presidente do Fórum das Agências de Viagens Especializadas em Contas Comerciais/Favecc ( www.favecc.com.br), Francisco Leme, e a vice-presidente da Associação Brasileira de Gestores de Viagens Corporativas/ABGEV (www.abgev.org.br ), Patrícia Thomas. Ambos possuem amplo envolvimento corporativo, com atuação em outras instituições do setor. A percepção de ambos sobre o momento atual é semelhante: é preciso investir no aperfeiçoamento dos profissionais, a fim de que as empresas possam oferecer ao cliente melhores produtos e serviços, fazendo com que os agentes de viagens passem a ser consultores, e não apenas emissores de bilhetes.

Francisco Leme iniciou sua palestra com um dado bastante significativo: o crescimento das viagens corporativas provoca um efeito multiplicador na economia brasileira, cujo resultado foi estimado em R$ 33 bi em 2008. Leme ainda apresentou outras estatísticas reunidas pelo Indicador Econômico das Viagens Corporativas/IEVC, um estudo conduzido pelo professor Hildemar Brasil, da USP. A ideia de investir no profissional do setor de viagens para que ele atue como um consultor também é defendida por Patrícia Thomas. Ela enfatiza que “o cliente corporativo é mais exigente, está mais antenado e tem menos tempo do que o cliente que viaja por conta própria. Por esse motivo, é um cliente mais objetivo e que precisa de um consultor que lhe apresente as melhores alternativas, a melhor relação custo-benefício”.

O encontro organizado pela Britcham terminou com a apresentação do presidente executivo da União Brasileira dos Promotores de Feiras/UBRAFE ( www.ubrafe.org.br/port) , Armando Campos Mello, relações-públicas da turma de 1971. Em sua palestra, mostrou o que a entidade tem feito para divulgar as feiras brasileiras e o nosso país no exterior. Um exemplo é o vídeo preparado para divulgar as feiras no Brasil. A versão 2009 está relacionada com os 50 anos da bossa nova. A do próximo ano fará uma homenagem a Heitor Villa-Lobos. Os vídeos têm narrativa em diversos idiomas e são exibidos no exterior, com a ajuda do Governo. Atualmente o calendário de feiras e exposições dos associados da UBRAFE engloba 172 eventos, em 23 cidades de 12 Estados.

Como se percebe, a necessidade de repensar o trabalho dos profissionais de eventos e viagens corporativas permeou todas as apresentações, e levou o público presente ao seminário a uma reflexão que pode ser sintetizada pelas palavras de Jorginho Medauar. “Você faz muito mais do que está escrito no seu cartão de visitas. Sua empresa pode fazer muito mais do que está definido na razão social. É preciso ser criativo e procurar formas de atender às necessidades do cliente. Só assim poderemos ser a bola da vez anti-crise” concluiu.


Fonte: Por Marcelo Toledo, em cobertura special para o portal Mundo das Relações Públicas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …