Pular para o conteúdo principal

Consumidores brasileiros são vice-campeões de consciência ambiental

Tenho uma boa e uma má notícia. Qual vocês querem ler primeiro? Eu sempre prefiro começar pela má (vício de final feliz do cinema?), mas desta vez vou começar pela boa – já explico por quê. Os brasileiros estão em segundo lugar no ranking Greendex 2009 (Índice Verde 2009), que avalia a consciência ambiental e os hábitos de consumidores em 17 países e é feito pela National Geographic Society e pela GlobalScan. Yesss! São avaliados o comportamento dos consumidores em relação a uso de energia, escolhas de transporte, fontes de alimentos, uso de produtos verdes e orgânicos, atitudes em relação ao ambiente e consciência sobre problemas ambientais.

Legal, né?! A gente sempre fica pensando que o brasileiro podia ter um pouquinho mais de alemão (como cantou a banda Skank)… Taí. Nosso lado alemão devidamente mensurado e por avaliadores acima de qualquer suspeita. Como informa a BBC Brasil, a “boa posição do país no ranking deve-se aos hábitos domiciliares dos brasileiros, considerados os melhores entre os 17 países avaliados. Oitenta e nove por cento das pessoas que responderam ao questionário no Brasil moram em residências com menos de cinco quartos. Os brasileiros também estão usando mais fontes limpas de eletricidade e, graças ao clima tropical, não utilizam sistemas de aquecimento nas suas casas com a mesma frequência que consumidores dos outros países”.

OK, eu não diria que a boa performance se deve a hábitos dos brasileiros, e sim, principalmente, a nossas circunstâncias (modelo de geração hidrelétrica, clima quente, pouco dinheiro para ter casa grande). Mas ‘tá valendo. E pelo menos uma coisa é mérito mesmo: os consumidores brasileiros são os que mais evitam comprar produtos nocivos ao meio ambiente.

Agora, a má notícia: em 2008, ocupávamos o primeiro lugar desse ranking. Caímos. E fomos os únicos a cair. Quem nos ultrapassou foi a Índia. A razão, segundo a BBC: “piores hábitos dos brasileiros em relação a consumo de comida, compra de bens e escolhas de transporte”. Detalhando: ” A pesquisa mostrou que os brasileiros são o segundo maior consumidor de carne bovina, atrás apenas da Argentina. Cinquenta e sete por cento dos brasileiros disseram comer bife mais de uma vez por semana. Esse indicador é considerado negativo pelos especialistas, que afirmam que a produção de carne requer um consumo intensivo de água, causando danos ao ambiente. O Brasil também recebeu uma avaliação pior este ano nas respostas sobre aquisição de bens. Os brasileiros ainda estão entre os consumidores que mais evitam comprar produtos que são nocivos ao meio ambiente, mas a quantidade de pessoas no Brasil com essa preocupação caiu 11%, segundo o levantamento.”

Depois do jump, tem o Índice Verde completo (com a Suécia em 11º lugar, pasmem!). Ah, sabem por que eu comecei pela boa notícia? Porque tem outra boa, para fechar (a síndrome de final feliz segue firme!). Respirem fundo: “Consumidores dos países emergentes foram considerados mais conscientes do meio ambiente do que os cidadãos de países desenvolvidos”. Ou seja, nem tudo é o que parece. Ou, definitivamente, o mundo está trocando a globalização pela globalidade, como mostrou estudo BCG publicado na HSM Management.


Fonte: Por Adriana Salles Gomes, in hsm.updateordie.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …