Pular para o conteúdo principal

Consumo de não-duráveis cresce 9% no 1º trimestre

Na crise, o consumidor segue a mesma lógica do mercado anunciante. Enquanto muitas empresas optam por planejar as compras de mídia a curto prazo, os brasileiros em geral também aderem às compras "picadinhas". Pesquisa realizada pela empresa LatinPanel, que monitora semanalmente 8,2 mil domicílios no País, mostra que os brasileiros aumentaram em 15% a frequência com que foram ao supermercado no primeiro trimestre de 2009, em relação ao mesmo período de 2008. Ao contrário do que se poderia esperar, porém, esse fator - que demonstra uma preocupação de consumir de acordo com as necessidades imediatas - se refletiu num aumento de 9% no consumo de bens não-duráveis. A classe DE foi a principal responsável por essa expansão (9%), seguida pela C (8%) e a AB (6%).

As categorias que encabeçaram o crescimento do consumo nos três primeiros meses do ano foram os produtos de limpeza para o lar e alimentos (11% em volume), a cesta de bebidas (7%) e higiene e beleza pessoal (6%). "Há 20 anos que, em qualquer crise, os mercados de beleza e higiene pessoal crescem", conta Ana Claudia Fioratti, diretora-geral do LatinPanel.

De acordo com a pesquisa, a tendência de consumir mais dentro do lar, que já se verificava, se acentuou com a crise. O consumo de bebidas e alimentos dentro de casa entre janeiro e dezembro de 2008 ante 2007 cresceu 14%, enquanto o fora de casa aumentou 9%. Segundo Ana Claudia, desde 2004, é a primeria vez que essa inversão ocorre. Isso significa que as pessoas estão gastando menos com lazer e viagens e que produtos como TV paga e internet rápida estão conseguindo aumentar a sua penetração: entre janeiro e dezembro de 2008, o número de lares que assinam os pacotes de TV por assinatura mais banda larga, combinados, cresceu 141%; o de banda larga, 53% e o de TV a cabo, 22%.

Outro dado importante para o mercado publicitário mostra que, em 57% da categorias, a marca líder está presente no carrinho de consumidores de todas as classes, inclusive das mais baixas, que não podem errar. "A classe A/B é mais experimentadora. A classe média é muito ligada à questão de marca. Em termos de marcas que coexistem, novas fragrâncias, novos sabores, versões diferentes, é a classe A/B normalmente que mais faz essa experimentação", explica a diretora da LatinPanel.


Fonte: Por Paula Ganem, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …