Pular para o conteúdo principal

Cuidado com o que você twitta por aí

O Twitter está bombando. Não há um dia que não se fale dele na internet, várias vezes ao dia. Jornais finalmente resolveram falar dele também. Saiu até na capa da revista Época desta semana. Com isso, mais e mais gente está dando uma chance para o serviço de microblogging. Fazem uma conta e, animadíssimos, saem por aí contando a sua vida em pílulas preciosas de 140 caracteres. Mas dois casos mostram que é preciso ter cuidado, muito cuidado.

Um candidato a uma vaga de emprego postou:

“A Cisco acaba de me oferecer um emprego! Agora tenho que pesar ter um salário gordo contra ir todo dia para San Jose e odiar o trabalho”

O tweet chamou a atenção de Tim Levad, da Cisco, que respondeu:

“Quem é o gerente de contratação? Estou certo que ele adoraria saber que você odiará seu trabalho. Nós aqui na Cisco somos versados na internet”

Pior ainda foi um vice-presidente da agência de comunicação Ketchum que foi fazer uma apresentação em Memphis para funcionários da Fedex. Antes, ele comentou no Twitter:“Uma confissão. Estou em uma daquelas cidades onde coço a minha cabeça e digo ‘eu morreria se tivesse que morar aqui”

O problema é que a maioria dos funcionários da Fedex são de Memphis e ficaram muito ofendidos pelos comentários. Como disse uma amiga, falar mal de Memphis para o povo da Fedex é quase pior que xingar a mãe. Eles têm muito orgulho da cidade. É quase um culto.

Um deles encontrou o comentário e mandou por email junto com a reclamação para o vice-presidente da Fedex, diretores e gerentes do departamento de comunicação, além da alta cúpula da Ketchum. O email dizia:

“Sr. Andrews,

Se eu interpretei correctamente a sua mensagem, estes são os seus comentários sobre Memphis poucas horas após a sua chegada na cidade, sede mundial de um dos seus principais e mais lucrativos clientes, e a casa de um dos mais importantes empresários da história da empresa, seu fundador Fred Smith.

Eu e muitos dos meus colegas achamos isso é inadequado. Nós não sabemos quantos milhões de dólares a FedEx Corporation paga à Ketchum anualmente pelo trabalho valioso e importante realizado pela sua empresa para nós ao redor do mundo. Estamos confiantes, no entanto, que é o suficiente para esperar um mais respeito e consciência de alguém em uma posição como a sua de vice-presidente. Um perigo das redes sociais é que as pessoas irão ler o que você escreve.

Sem saber exatamente o que motivou seus comentários, admito que a área em torno do nosso aeroporto é um pouco desagradável, com criminalidade, prostituição, decadência comercial e alguns buracos. Mas há um grande esforço político, da comunidade, de religiosos e de empresários em curso, o que inclui a FedEx, para transformar essa área. Nós estamos esperançosos de que, ao longo do tempo, a nossa cidade vai ter uma “cara” melhor para apresentar aos visitantes.

Todos os participantes no evento de hoje acabam de receber seu primeiro salário de 2009 com um corte de 5%…algo que apoio sem reservas, porque é uma tradição estabelecida pelo Sr. Smith fazer o que for preciso para proteger postos de trabalho.

Considerando que só entramos no segundo ano de recessão nos EUA, e que nós estamos enfrentando perda de negócios significativa devido a uma baixa econômica global, eu e muitos dos meus colegas questionamos o dinheiro pago à com Ketchum para produzir o vídeo de abertura do evento de hoje; um trabalho que poderiam ter sido realizado pelos nossos premiados profissionais que tem décadas de experiência de produção em televisão.

Além disso Sr. Andrews, com todo o devido respeito, ainda no contexto do seu post; uma confissão: eu e muitos dos meus colegas não vemos muita relevância entre a apresentação desta manhã e o trabalho que fazemos em nosso departamento de comunicação com os empregados.”

Pagou pela burrice, não? Por isso, cuidado, muito cuidado com o que você escreve publicamente por aí. A internet tem memória de elefante. Isso pode acabar te prejudicando mais tarde.


Fonte: Por Rafael Barifouse - Blog Tecneira, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …