Pular para o conteúdo principal

A difícil arte de listar as mais sustentáveis

Muitos leitores solicitam deste colunista a divulgação de rankings de empresas mais ou menos sustentáveis. Uma parte deles o faz apenas para confirmar os seus julgamentos ruins sobre empresas que lhes são antipáticas. No entanto, observo no aumento do interesse pelo tema algo novo sobre os consumidores brasileiros: cada vez mais sensíveis às questões socioambientais, eles estão mais ansiosos por informações que os ajudem a separar joio de trigo, pensando já em punir ou premiar empresas segundo a verdade ou a mentira de suas práticas sustentáveis.
É ainda um movimento iniciante. Mas já nítido, principalmente entre os consumidores com maior nível de escolaridade, nas grandes capitais.

Quando respondo que não há rankings desse tipo no Brasil, alguns leitores apelam para que eu monte e divulgue o meu próprio. Tarefa complicada e provavelmente vã. O que a torna mais difícil é a ausência de um conceito único para a sustentabilidade empresarial e também a inexistência de critérios firmes de seleção, capazes de dar respaldo para análises e comparações adequadas. Imaginando que fosse possível elaborar uma lista das mais sustentáveis, certamente ela seria desqualificada por empresas que tivessem sido excluídas, servindo, no máximo, para uma polêmica boba e sem sentido. Ou você duvida disso?

Sobre listas e rankings de empresas sustentáveis, temos muito a aprender com os canadenses e os norte-americanos. No último Fórum Econômico Mundial de Davos, a Corporate Knigths e a Inovest Estrategic Value Advisors lançaram o estudo Global 100, que reúne as 100 corporações mais sustentáveis do planeta.

Na apresentação da pesquisa, os precavidos realizadores se apressaram em informar o óbvio: como lidam com um conceito controverso (isso mesmo, sustentabilidade ainda significa coisas diferentes para pessoas e empresas diferentes), e em construção, eles não têm a menor pretensão de publicar um “guia” do comportamento sustentável. Prestam-se sim a identificar companhias cuja correta gestão dos fatores socioambientais e de governança corporativa tenham contribuído para um melhor desempenho financeiro, representando importante vantagem competitiva. As empresas presentes na lista são, portanto, as que administram melhor esses fatores controlando melhor riscos e aproveitando oportunidades verdes para seus negócios. O Global 100 destina-se a seis grupos de público: investidores à procura de empresas com perspectiva de longo prazo, profissionais querendo trabalhar em empresas com valores, gestores interessados em ver boas práticas para melhorar a sustentabilidade de suas companhias, governantes de olho em empresas comprometidas com desenvolvimento e consumidores pensando em escolher marcas responsáveis.

Em vez de dizer quem é mais ou menos sustentável, o Global 100 apresenta as empresas em ordem alfabética como um grupo de bons exemplos a seguir. Isso porque os promotores consideram metodologicamente impossível conferir notas absolutas ou mesmo comparar, por exemplo, a realidade socioambiental de uma indústria de gás com uma outra de alimentos. Em sua quinta edição, o estudo foi lançado, como de costume, no Global 100 Executive, uma reunião de Davos entre presidentes das 100 mais e líderes de setores financeiros considerados vanguarda na construção de um mundo sustentável.

O Global 100 incluiu companhias de 15 países. Os EUA lideram com 20 corporações, quatro a mais do que no ano passado. Na seqüência, vieram o Reino Unido com 19 (cinco a menos do que em 2008) e o Japão com 15 (duas a mais). Aparecem em seguida a França (8), Alemanha (7), Canadá, Finlândia e Suécia (todos com 5). Dois terços das empresas do ranking de 2008 mantiveram seu lugar em 2009. No total, 46% das empresas listadas existem há pelo menos 100 anos. Várias fazem negócios aqui no Brasil. Veja a lista das melhores no site www.ideiasocioambiental.com.br.


Fonte: Por Ricardo Voltolini - jornalista e diretor da Idéia Sustentável, in www.topblog.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …