Pular para o conteúdo principal

Esso volta ao mercado com foco no consumidor final

A marca Esso teve seus ativos comprados pela Cosan em 2008 e este ano a companhia do ramo de cana-de-açúcar começa a reativar a marca Esso com foco nos consumidores finais. Patrocinadora e fornecedora oficial de combustíveis da Stock Car, a Esso passa por um momento de investimento em busca do tempo perdido após seis anos fora da mídia.

A comunicação de marca será feita através de comerciais impactantes na TV e na internet. Com integração entre as mídias, a Esso pretende atingir diferentes consumidores e aproximar os funcionários ao conceito da marca através de um trabalho de branding. A marca começa um processo de posicionamento diferente do comum, já que sai de um modelo global para atuar fortemente no dia-a-dia do consumidor brasileiro.

O slogan “Esso. Nossa tecnologia leva você até lá” estará presente nas peças de comunicação e será o mote das ações de Marketing. Tendo a imagem da marca como um dos pilares do novo posicionamento, os postos Esso no Brasil estão inseridos no conceito moderno presente nesta nova etapa da empresa.

Estratégia inclui patrocínio
O patrocínio da Esso à Stock Car é um dos pilares deste novo posicionamento. “Faz parte das ações de Marketing e o combustível Esso foi escolhido como o oficial da categoria”, explica Lauro Klas, Gerente de Marcas da Cosan Combustíveis e Lubrificantes em entrevista ao Mundo do Marketing.

De acordo com Jaime Troiano, sócio-diretor da Troiano Consultoria de Marca, é difícil saber se este é o melhor caminho para reativar a marca, mas tudo indica que pode ser bem aproveitado. “A Stock Car é um esporte em ascensão, que envolve um público amplo, jovem e que está muito envolvido com veículos. As decisões nesses casos vão além desse alinhamento entre a alma ou personalidade da marca e a natureza do patrocínio”, diz Troiano ao site.

Apesar do resultado de uma ação ser avaliado com base em cálculos e estratégias de mídia e de finanças, é notório e sabido que o público que acompanha a Stock Car estará mais propenso a receber e consumir produtos da Esso. “É muito provável que eles venham funcionar como ‘apóstolos’ da marca”, acredita Jaime Troiano.

Prestígio e força no Brasil
O contrato de licença de uso da marca Esso feito pela Cosan será de cinco anos, podendo ser renovado por mais cinco. Ao todo, será investido mais de 800 milhões de dólares na operação que envolve um conjunto de recursos logísticos e operacionais. “A marca Esso desfruta ainda de grande prestígio. O que determinará sua vitalidade futura é o branding da Esso”, conta Troiano.

Mesmo sem estar na mídia nos últimos anos, a Esso ainda possui prestígio com o consumidor e espera adquirir ainda mais força. “Nosso objetivo é melhorar a força de marca com consumidores finais e fazer com que eles nos vejam de forma diferenciada. Além disso, buscamos um relacionamento mais saudável com revendedores e colaboradores”, aponta o gerente de marcas da Cosan.

Com nome no mercado, seria difícil pensar numa ruptura da marca mesmo após um reposicionamento. Por isso, a manutenção da marca Esso é visto como uma obrigação para Jaime Troiano. “É mais do que uma opção. É uma obrigação. Qualquer estratégia de ruptura é apenas uma aventura adolescente. A recomendação que eu faria é re-alimentar a marca Esso numa fase de transição da maneira mais profissional e gradual possível”, completa o especialista em entrevista ao Mundo do Marketing.


Fonte: Por Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …