Pular para o conteúdo principal

Halo 3: Como acreditar em um herói

Reunir milhões de pessoas sob um slogan poderoso e inspirador, que faz as pessoas acreditarem em alguém, ou algo, e conquistar o resultado traçado desde o briefing. Apesar desta frase se encaixar perfeitamente à campanha de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos, ela vale também para um dos grandes cases de storytelling da publicidade mundial, que foi premiado com Grand Prix na área de Integrated em Cannes no ano passado. Trata-se de Halo 3, o game para Xbox, da Microsoft, que atraiu multidões às filas no dia de seu lançamento e que fez de seu protagonista muito mais do que um personagem de videogame.

Nigel Tribe, da TAG, um dos responsáveis pelo projeto, revelou como o Halo 3 tornou-se esse fenômeno, revelando que desde o início da campanha já haviam sido alguns objetivos muito claros e ousados (todos atingidos, aliás), como vender 7 milhões de jogos nos primeiros 12 meses e suplantar a maior venda de um game em sua estreia, um recorde que pertencia ao Homem Aranha 3.

O grande segredo foi explorar o potencial do protagonista do jogo, o Master Chief, que aparece na campanha como um herói clássico. "É uma ideia criativa simples. Ele tinha valores como bravura, sacrifício e entrega, algo que é entendido em qualquer lugar do mundo, e que fala com todos", disse Tribe, acrescentando que a pergunta essencial do briefing deixou de ser "como vender um jogo de videogame" para "como você honra um heroi?"

O conceito escolhido, Believe (Acredite), foi absorvido pela TAG, todas as outras agências envolvidas e pelo anunciante, um fator essencial, segundo Tribe, para o sucesso da campanha. "Todos tinham que acreditar. Essa palavra tornou-se um mantra interno", resume Tribe.

A partir disso, foi criado um museu fictício, intitulado Museum of Humanity, para homenagear os combatentes da batalha de Halo 3 e celebrar a vitória da raça humana, tendo como uma de suas peças mais interessantes (e bem exploradas nos filmes fictícios) uma maquete que reproduzia a guerra. Outros filmes traziam depoimentos de ex-combatentes falando de Master Chief.

Um dos maiores desafios para que o case fosse bem sucedido foi a comunicação para públicos muito diferentes em si: os amantes de Halo 3, "era fundamental que eles continuassem conosco", afirma Tribe; os amantes de games que não conhecem muito Halo 3; e os que gostam de entretenimento de modo geral, mas que não utilizam videogames.


Fonte: Por Felipe Turlão, in wavefestival.mmonline.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …