Pular para o conteúdo principal

A hora e a vez dos intangíveis

Enfim, os intangíveis tornaram-se valores empresariais estratégicos. O BNDES avaliará, a partir de setembro, além do balanço financeiro das empresas que desejam obter financiamento, seus ativos intangíveis. Com isso, a tão propagada ‘comunicação estratégica’ tem sua melhor oportunidade para provar, de fato, que pode agregar valor ao negócio.

Entende-se por ativos intangíveis atributos e práticas de relacionamento com stakeholders, imagem e reputação, marca, responsabilidade social, além de inovação, inteligência competitiva, gestão do conhecimento, liderança, processo de treinamento, entre outros. Todos são valores construídos por meio de práticas empresariais de médio e de longo prazos. E mais, de nada adianta a empresa praticar esses valores se não os têm mensurados, já que eles contribuem com 50% do peso para avaliação de uma empresa, pelos critérios do banco.

Em agosto de 2006, o consultor Daniel Domeneghetti, CEO da Dom Strategy Partners e sócio-fundador da E-consulting, em entrevista à Revista Comunicação 360º já atribuía aos intangíveis “a outra metade do valor das empresas”. Domeneghetti e sua equipe desenvolveram um modelo de mensuração dos intangíveis baseada no capital humano e que trabalha com quatro dimensões: capital intelectual, capital organizacional, capital de relacionamento e capital institucional. Essas duas últimas dimensões refletem o resultado do trabalho de comunicação.

Cabe à comunicação dar significado aos intangíveis, torná-los palpáveis e perceptíveis pela sociedade. A comunicação deve também liderar o trabalho de mensuração desses ativos. Empresas que já incorporaram tais práticas em seu balanço podem se considerar com ampla vantagem competitiva no mercado, como é o caso, por exemplo, da Suzano Papel e Celulose, que publica há mais de três anos um Relatório de Sustentabilidade.

Essa nova exigência do BNDES chega numa boa hora. Os profissionais de comunicação que já trabalham de forma estratégica serão mais valorizados. O mercado de trabalho deverá se expandir, pois mesmo as empresas de pequeno e médio porte, precisarão de uma política de comunicação corporativa, do mapeamento qualitativo e quantitativo dos seus stakeholders – e não somente dos seus clientes.

Está aí uma excelente oportunidade para ampliar o mercado de comunicação organizacional, em meio à crise que ronda alguns setores empresariais. Algumas perdas de postos de trabalho poderão ser recuperadas. Também será um excelente momento para separar o “joio do trigo”: os profissionais estratégicos terão mais visibilidade e reconhecimento e ajudarão a mudar o perfil da comunicação corporativa no Brasil. Esse é o caminho para a comunicação começar a ser percebida como investimento, agregação de valor, e não mais destacada como gasto nos balanços financeiros das empresas.


Fonte: Por Cristina Mello, in www.nosdacomunicacao.com
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …