Pular para o conteúdo principal

A importância do reconhecimento

Encerrando a série de artigos sobre feedback, é importante ressaltar o valor do instrumento gerencial na satisfação da necessidade afetiva, a mais importante das emoções para o ser humano: falamos do reconhecimento.

Nós todos sabemos que o reconhecimento corresponde à satisfação da necessidade mais básica do ser humano: a afetiva, que se expressa no desejo que temos de sermos compreendidos, aceitos, amados. Acho até que satisfazer a necessidade afetiva é o motor da atividade humana. Temos sempre duas "recompensas": a econômica e a afetiva.

Já sentimos, a importância do reconhecimento na nossa própria vida. É complicado, por isso, entender a dificuldade de reconhecer a atuação do outro. Minha experiência revela que esse feedback é usado de forma mais comedida, menos intensa; então, o desperdício é maior. Aqui também há um leque para as possíveis causas dessa inadequação de comportamento. Uma delas é a visão de que só a punição educa e de que o reconhecimento "amolece". Tal interpretação pode ser facilmente detectada em vários professores que nunca dão nota dez a seus alunos por melhores que sejam, em pais e chefes que acreditam que nada é melhor para a formação de uma pessoa do que manter uma "espada" sobre a cabeça dela.

Uma de minhas filhas é filósofa. Uma noite, a vi lendo "Carta a Meu Pai’’, de Franz Kafka, um livro em que o autor manifesta todo o ressentimento e revolta contra a figura paterna, que o oprimira a vida toda. Perguntei o que ela achava do livro, e ela me deu uma resposta espantosa: "Como esse cara era burro! O pai o adorava e ele não percebeu!". Na hora, senti-me tão tolo quanto Kafka. Nunca tinha visto por esse prisma: toda aquela rudeza do pai, que parecia desamor e até maldade, poderia ser, ao contrário, uma manifestação de afeto – na minha opinião, equivocada, o que pode ser comprovado pelos resultados: todo o ressentimento que o autor carregou a vida toda. Daí a importância do reconhecimento.

Tenho até uma receita simples que o líder deve seguir para conseguir o comprometimento: delegue um desafio, acompanhe sendo coach e reconheça quando o indivíduo tiver sucesso.


Fonte: Por Paulo Gaudêncio - Psiquiatra e consultor de empresas, in Gazeta Mercantil/Caderno D - Pág. 5
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …