Pular para o conteúdo principal

O comunicador-consultor

Era muito comum lermos livros e assistirmos a palestras em que os profissionais da comunicação defendiam o "ser multidisciplinar", aquele que tem várias competências e está disposto a realmente integrar uma equipe com objetivos e metas comuns. Eu mesmo já participei de inúmeros eventos norteados por essa definição, mas cujas conclusões se restringiram apenas aos anais.

A novidade é que, nos últimos anos, este conceito tem saído do papel e conquistado cada vez mais força no ambiente da comunicação. Atualmente, um comunicador adequado e de sucesso precisa ser estrategista, decisor, planejador, flexível, gestor e ainda apresentar uma ampla visão sistêmica.

O profissional que se encaixa neste novo perfil é, automaticamente, valorizado pela organização e pela sociedade. Afinal, consegue aumentar, naturalmente, a capacidade de conclusão das metas traçadas e ampliar o alcance e penetração de sua mensagem.

Neste contexto, destaca-se a forte e consolidada relação entre as agências de comunicação, mídia, sociedade e segmento empresarial. Se antigamente a grande maioria das empresas brasileiras cancelava os serviços de assessoria de imprensa nos momentos mais turbulentos, hoje isso não ocorre mais. O fato, que encontra embasamento na valorização da comunicação e nos exemplos bem-sucedidos da Europa, rechaça qualquer suspeita sobre a ineficiência dos componentes (emissor, receptor, mensagem, canal de propagação, meio, resposta e o ambiente).

Um elemento interessante é a pesquisa, recentemente divulgada pela Abracom, associação que reúne 310 agências de comunicação de todo o País, que mapeou o impacto da crise em seus associados e nos trouxe dados respeitáveis. O levantamento concluiu, por exemplo, que 58% dos entrevistados não tiveram os resultados financeiros de 2008 afetados pela recente crise mundial.

Trata-se de um índice representativo, se comparado com outros mercados, como, por exemplo, as empresas de tecnologia, que no final do ano passado dispensaram vários trabalhadores; e o segmento de minerais não-metálicos que ainda sofre com uma certa estagnação do setor de construção civil.

O levantamento da Abracom também sinalizou que 67% das agências entrevistadas tiveram o faturamento do ano passado maior do que o de 2007 e que 40% delas espera ter esse mesmo desempenho em 2009. O dado atesta a importância do profissional multidisciplinar e o fato das empresas sentirem a necessidade de contarem, cada vez mais, com a ajuda dos comunicadores-consultores, aqueles profissionais cujo trabalho não está limitado apenas à propagação da informação e têm capacidades e competências para orientar os clientes, por exemplo, sobre a melhor época para se lançar determinado produto.

Esta capacidade estratégica dos assessores de comunicação rompeu, ao longo dos anos, diversas barreiras e agora está sendo percebida e muito bem aceita pelas diversas mídias, que confiam no conteúdo fornecido por esses profissionais. Estudos publicados no recém-lançado livro Assessor de Imprensa - fonte qualificada para uma boa notícia, de Rodrigo Capella, comprovam este cenário. Durante quatro anos, o autor entrevistou assessores de imprensa, jornalistas de redação, estudiosos e relações públicas para mapear o relacionamento e grau de confiança estabelecido entre esses profissionais.

Uma das pesquisas, por exemplo, revela que para 86,7% dos profissionais entrevistados, assessores de imprensa e jornalistas de redação são parceiros. Esse dado positivo pode ser explicado porque, no momento atual, os assessores de comunicação não se restringem apenas à divulgação de informações que interessam apenas aos clientes, mas se preocupam em oferecer aos colegas de redação pautas, informações e fontes de interesse público.

Outro dado interessante, que consta no livro, diz respeito à checagem de informações. Para 66,7% dos entrevistados, a mídia confere, em alguns casos específicos, as informações recebidas pelas assessorias de comunicação. Esse quadro corrobora que a parceria e o companheirismo entre esses profissionais realmente existe e que é fundamental para a produção noticiosa.

Esta realidade deve se solidificar ainda mais nos próximos anos com a difusão mais concreta do PR 2.0, ou seja, a propagação de informações, por parte das assessorias, via internet, por meio de vídeos, mídias sociais, imagens, RSS, bookmarking e tagging. Essa é a nova era da comunicação e quem não estiver inserido dificilmente será um profissional multidisciplinar, um comunicador-consultor!


Fonte: Por Indio Brasileiro - Sócio-diretor da FirstCom Comunicação, da I-Group, da GR Marketing e da Oca Comunicação, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 6
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …