Pular para o conteúdo principal

Produtos de sexo ampliam vendas durante a crise

A recessão não afetou em nada o mercado de acessórios sexuais e, na verdade, deve até ter ajudado. Isso porque dados mostram que produtos como lubrificantes e aparelhos utilizados durante a relação estão causando incêndios nas prateleiras de supermercados e drogarias.

As vendas de lubrificantes íntimos no primeiro trimestre de 2009 subiu 32% para US$ 41,2 milhões, de acordo com a Information Resources, muito graças ao lançamento no ano passado do K-Y Yours & Mine, da Johnson & Johnson. E essa alta já acontecia muito antes do lançamento no mês passado de anúncios criados pela Mother de Nova York para divulgar o novo K-Y Intense, para mulheres, que alcançou inclusive espaços muito surpreendentes nas lojas do Wal-Mart.

Ao mesmo tempo, dentro da área de produtos "alimentos e remédios", quem está explodindo é a categoria "desenvolvimento sexual", que saiu de uma base pequena de consumo, subindo 74%, para US$ 10,1 milhões em vendas em um ano, no período que vai até o último 19 de abril. Os dados são da IRI, e apontam liderança dos produtos da Trojan e Durex.

"Quando a economia cai, o sexo vai bem", afirma um porta-voz da Johnson&Johnson, embora ele tenha declinado de comentar o porquê de seu produto estar ganhando espaço. O vice-presidente de marketing da marca Trojan Jim Daniels tem teorias mais desenvolvidas sobre o mercado de sexo estar aindo tão bem. Primeiro, que não há pesquisas clássicas sobre este mercado e as empresas do setor se movem rapidamente para ir de encontro às necessidades do consumidor com produtos e publicidade para anunciá-los.

A outra teoria é que a recessão realmente ajuda. "Eu não sou psicólogo, então eu não sei porque é assim. Mas realmente há produtos que as pessoas consomem mais durante recessões. Estamos vendo as pessoas passarem mais tempo em casa, maior stress nos relacionamentos, busca de significados para se re-conectar com seu parceiro e gente buscando investir mais no relacionamento", diz o executivo.

Mas a realidade é que este sempre foi um grande negócio, embora sem grande exposição em supermercados, drogarias e lojas, inclusive sendo ilegal vender alguns desses produtos em sete estados norte-americanos.

A Church & Dwight, dona da marca Trojan, estima que o mercado de equipamentos sexuais tenha atingido já US$ 1 bilhão nos Estados Unidos, muito mais do que os US$ 10 milhões medidos pela IRI somente na categoria de alimentação e remédios.

A maior parte das vendas desses equipamentos é online, embora seja possível também em lojas adultas ou em festas privativas organizadas por vendedores diretos, como o encontro Pure Romance, aponta Daniels. O Trojan Vibrating Touch, produto lançado no ano passado, por exemplo, tem sido anunciado com publicidade na televisão e marketing direto online.

A utilização de alguns desses produtos já é massificada, aponta Daniels. A Church & Dwight prepara o lançamento de um estudo conduzido pela Indiana University e a Knowledge Networks com mais de 3 mil adultos mostrando que metade utilizou um produto "vibratório" em algum momento de suas vidas e um terço utilizaram um no último ano.


Fonte: Advertising Age
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …