Pular para o conteúdo principal

Quem quer ser uma celebridade?

Você já deve ter visto vários posts falando sobre celebridades na blogosfera. A Wikipédia inclusive mantém diretórios de fenômenos da Internet e de "celebridades" do YouTube. Lá você encontra listagens atualizadas de vídeos, músicas, perfomances e pessoas que de uma hora para outra se tornam muito conhecidos em todos os cantos da Web. Mais do que de repente, você começa a receber links do YouTube e de sites cujos personagens principais você passa a saber o nome. Foi assim com Mahir Çağrı (I kiss you), Tay Zonday, Dancing Matt , Obama Girl, entre tantos outros. Com a mesma velocidade, você repassa o link em seu blog, por e-mail e no Twitter. É com essa disseminação em rede que anônimos ganham notoriedade e, possivelmente, até dinheiro e reconhecimento da grande mídia. Tay Zonday, por exemplo, estrelou um comercial para o refrigerante Dr. Pepper e, nada mais lógico, apresentou o evento YouTube Live. Durante este último evento, outras "celebridades" do YouTube fizeram apresentações, como Funtwo, Bo Burnham, Chad Vader.

Quer ver um pout-pourri dessas personalidades da Web? Então não deixe de assistir ao bem-humorado clipe da música Pork and Beans, da banda Weezer, por onde desfilam vários famosos da internet (veja aqui a listagem).

Mas seriam de fato celebridades? Estes desconhecidos que ganham súbita fama na rede (e muitas vezes desaparecem logo em seguida) podem ser comparados a Tom Cruise, Britney Spears, Paris Hilton, Luma de Oliveira, Sandy, Xuxa, Luana Piovani? Será que fãs dormiriam na frente do hotel em que Mahir Çağrı está hospedado? E quanto da pequena venda de camisetas de Tay Zonday não passa de simples curtição?

Em outras palavras, podemos simplesmente aplicar o mesmo termo "celebridade" a pessoas que ganham notoriedade instantânea? Veja, celebridade não é o mesmo que renome. Ser bem conhecido e até admirado em um bairro ou em uma comunidade científica não é o suficiente para tal pessoa atingir o mesmo status de um Bono Vox. Celebridades não são apenas pessoas famosas. Tais figuras, que passaram a emergir no cinema na primeira década do século XX, são uma mercadoria das indústrias culturais. Seus nomes e personalidades construídas servem como slogans de venda, fazem parte de estratégias mercadológicas. E, como produtos a venda, seus nomes (marcas) e suas imagens são controladas por equipes que ajustam suas aparições ao gosto dos consumidores.

Celebridades devem ser compreendidas em uma lógica de produção e consumo, segundo estratégias persuasivas bem planejadas. Como mercadoria, também se tornam obsoletas assim que um novo nome/produto atinge o mercado midiático. Nessa lógica, cantoras loiras, boy bands, calouros em programas de auditório (American Idol e afins), modelos e atores se sucedem na prateleira.

Não é estranho, portanto, que apliquemos o mesmo conceito da comunicação de massa ("celebridade") a pessoas de renome ou que alcancem rápido reconhecimento na rede? E será que estamos tão adestrados pela grande mídia que também desejamos inventar e encontrar celebridades na blogosfera? Que papel elas tem em nosso imaginário já que esperamos encontrar o mesmo terreno familiar das estrelas nas telas de nossos computadores? Não seria a internet o espaço onde nos livraríamos do poder da mídia?

Estas são algumas das questões que motivaram a escrita deste artigo que apresentarei na próxima semana no Encontro da Compós em Belo Horizonte. E este é o tema que inspirará os posts desta semana.


Fonte: Por Alex Primo, in Dossiê Alex Primo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …