Pular para o conteúdo principal

Unilever usa Branded Content para envolver consumidor

O entretenimento é um fator relevante para o consumidor e se tornou uma ferramenta útil para empresas manterem suas marcas vivas na mente e no dia-a-dia deles. É cada vez mais comum ver empresas como Unilever desenvolvendo ações de Branded Entertainment principalmente por conta das diversas vertentes da comunicação atual.

Em uma Era onde o consumidor cria conteúdo para suas marcas preferidas, e critica as que não o tratam bem, a comunicação das marcas está sendo cada vez menos conduzida por seus gestores habituais. Positivo ou negativo, o conteúdo gerado por consumidores provoca um envolvimento crescente entre as duas partes e evolui gradativamente no planejamento de ações de Marketing da Unilever.

Tema de um painel no Wave Festival, realizado no Rio de Janeiro pelo Meio & Mensagem, o Branded Entertainment está sendo usado pela Unilever para evitar que suas marcas percam relevância para o consumidor. De acordo com Maria Luiza Lopez, Media Director da Unilever, esta é a principal preocupação da empresa e por isso a empresa mudou a forma de enxergar a demanda do consumidor.

Consumidor participa
O consumidor não é mais o mesmo e hoje ele é o “dono” da sua marca favorita. Quanto a isso não há dúvidas. Esse comportamento foi essencial para que empresas atentassem para as mídias digitais e é isso o que a Unilever vem fazendo. “Hoje destacamos o conteúdo do consumidor como uma boa história. Se for boa, eles vão dividir com outros. As telas estão aí, o que importa mesmo é o conteúdo”, diz Maria Luiza.

Sem restrições de idade ou geografia, o conteúdo do consumidor é uma forma que a Unilever tem de criar laços e experiência com a marca, além de engajar o consumidor no perfil empresa. Porém, para cada marca da Unilever há um estudo para o desenvolvimento correto do enredo que será usado. Para AXE, por exemplo, a companhia fez ações em boates de São Paulo para selecionar as piores cantadas feitas pelos consumidores.

Esta ação se tornou parte do programa de comunicação da marca e transcendeu os limites de uma simples promoção. A Unilever tem outros bons exemplos de marcas que ganham força com a ajuda do Branded Entertainment, como a Seda. Na TV e na internet, a marca desenvolveu a ação “Casamento de Manuela” onde o público acompanhou os preparativos da noiva e sua necessidade de ter cabelos mais longos, o que remete ao produto que tem esta função.

Novas mídias que dão resultado
Com a disseminação das mídias digitais e a participação cada vez maior do consumidor, a Unilever percebeu que não poderia mais fazer comunicação apenas de forma tradicional. Prova disso foi a ação de Merchandising que a empresa fez para a marca Hellmann’s no programa de TV “Toma Lá Dá Cá”, da Rede Globo.

A ação foi feita de forma diferente das tradicionais e gerou muito boca-a-boca. “Foram cerca de oito minutos de exposição do produto”, conta Maria Luiza. O envolvimento do público é inevitável em ações diferenciadas e o conteúdo delas é o principal. “Esta é uma visão corporativa e a Unilever tem algumas marcas que facilitam isso”, afirma a executiva da Unilever.

Como toda ação de Marketing precisa ter o embasamento de pesquisas, a Unilever também estuda antes de desenvolver as ações de Branded Entertainment. Porém, o resultado destas ações ainda é difícil de ser mensurado. “Tudo é arriscado se a gente não se atrever. Fazemos tudo o que possível, mas respeitamos os limites de cada marca”, aponta Maria Luiza. “Não existe uma linha que determina o que é marca e o que é conteúdo. Só teremos um diálogo se tivermos o consumidor do outro lado e se soubermos exatamente o que ele quer”, completa.


Fonte: Por Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …