Pular para o conteúdo principal

Reputação Corporativa e Alinhamento Estratégico

Em tempos de crise é que percebemos a real força de nossa marca, de nossa reputação corporativa e da aplicabilidade dos nossos modelos de gestão: o que está sólido, o que está fraco, o que tem verdadeiramente o apoio das pessoas e o que só existe “para constar”. Se a empresa segue com consistência seus valores corporativos, se o norte estratégico está claro, se os clientes confiam em nossa promessa de entrega de valor, se nossos fornecedores e demais parceiros de negócio nos têm realmente como forças para a construção do seu sucesso empresarial.

Como estímulo à lucidez, os solavancos da crise foram muito positivos para o despertar empresarial na direção de mudanças decisivas para a sustentabilidade dos negócios e construção da confiança com os atuais e potenciais clientes. Após essa turbulência toda, um dos principais aprendizados foi que, para a força de transformação trazer resultados positivos, seus líderes precisam estar dispostos a um processo contínuo de questionamento e autodesenvolvimento.

Precisam compreender que o presente e o futuro são construídos a partir dos nossos aprendizados do passado e da nossa incansável vontade de fazer a cada dia melhor, de entregar mais valor e satisfação não só aos clientes, mas a todos os envolvidos com o bom resultado da empresa. Aí sim a transformação gera resultados, pois é uma transformação consciente e fundamentada...

Sabemos todos que a crise é de confiança geral, sendo assim a melhor maneira de combater a crise é estreitar os laços de confiança com todos os públicos que de alguma forma estão relacionados ao sucesso do negócio, os chamados stakeholders. A empresa também precisa entender onde pode ser mais eficiente e fazer uma boa gestão de custos e processos.

Um bom começo é desenvolver a consciência sobre seus problemas e capacidades competitivas, o que tem de forte e o que precisa ser melhorado (áreas de oportunidade) em todos os setores, o que se consegue por meio de uma “anamnese empresarial”, ou seja, uma discussão estratégica lúcida que resgata o passado para entendermos o presente, projetando o futuro desejado e detalhando como o construiremos.

Todas as empresas, independente do seu tamanho, precisam entender que essa percepção positiva em torno da sua imagem, bem como a confiança duradoura característica da boa reputação, é construída nos mínimos contatos com os clientes e demais stakeholders, fortalecendo-se no dia-a-dia onde todos da empresa são responsáveis diretos. Agir com coerência e consistência, alinhando a prática ao discurso corporativo, é fundamental para se construir e manter a boa imagem ao longo do tempo. E a construção e manutenção dessa boa imagem ao longo do tempo é exatamente o que constrói a reputação da empresa, fundamental referência em tempos de crise...

A reputação corporativa é a representação coletiva das ações passadas e dos resultados da organização, por meio dos quais a empresa demonstra sua habilidade em gerar valor para clientes, acionistas, empregados, fornecedores e outros públicos importantes. Ela propicia um diferencial competitivo forte principalmente no atual cenário de crise, concorrência acirrada, globalização, aumento da oferta de produtos e serviços, novas legislações e regras comerciais.

Mas como construir e gerencial estrategicamente a reputação corporativa? A empresa deve considerar pelo menos sete dimensões de seus resultados, identificando como está e como pode melhorar em cada uma delas:
1. Desempenho – retorno aos investidores, resultados financeiros, perspectivas de crescimento.
2. Produtos e serviços – qualidade percebida, relação custo-benefício, suprimento das necessidades e desejos dos clientes.
3. Inovação – incentivo a idéias, pioneirismo, poder de adaptação a mudanças.
4. Ambiente de trabalho – recompensa ao mérito e igualdade de oportunidades, promoção do bem-estar e saúde dos empregados.
5. Governança – transparência e disponibilidade das informações, ética empresarial, idoneidade nos negócios.
6. Cidadania – responsabilidade ambiental e desenvolvimento social, apoio às causas comunitárias.
7. Liderança – organização, líderes carismáticos e eficientes, excelência gerencial, visão clara e compartilhada do futuro

Essa dimensões também constroem toda a confiança e estima relacionadas à empresa, isto é, sua “reputação corporativa”.

Em meus estudos, experiência como executivo e em consultorias para várias empresas, de todos os tamanhos, percebo claramente que apenas o desempenho econômico, por si só, não é capaz de garantir uma boa reputação... O desafio é muito maior! A crise nos mostrou a fragilidade de grandes corporações diante de um cenário de queda na confiança e incertezas sobre o futuro. Certamente as empresas que investiram no fortalecimento de sua reputação corporativa sofrerão menos e se recuperarão mais rápido. A reputação traz uma blindagem competitiva, constrói um elo psicológico entre a empresa e todos que com ela se relacionam com base na admiração, confiança e estima.

Na vida existem os que observam, os que analisam e falam e aqueles que também constroem. Pergunto ao leitor: como peça chave e condutor máximo das decisões sobre sua vida pessoal e profissional, qual será a sua postura? De algo podemos ter certeza: a perseverança, o trabalho árduo e a disciplina são imprescindíveis para qualquer realização. Genialidade sem “mão na massa” dificilmente gera bons e sustentáveis resultados. Vale a pena lembrar a receita de sucesso de Einstein: “sucesso = 10% de talento (inspiração) + 90% de suor (transpiração)".


Fonte: Por Carlos Gustavo Fortes Caixeta - consultor, palestrante e professor nas áreas de gestão estratégica, marketing e economia (Fundação Dom Cabral e Fundação Getúlio Vargas), in www.mundodomarketing.com.br
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …