Pular para o conteúdo principal

Vamos revolucionar o Marketing

Se você vai a um seminário de Marketing em que uma marca como a Coca-Cola vai mostrar seus casos de sucesso para atingir o consumidor, logo pensa em mega ações, fazendo uso de fartas verbas de comunicação. No Seminário Marketing 360° Rio de Janeiro 2009, Gian Martinez, Gerente de Planejamento da Coca-Cola Brasil, mostrou justamente o contrário e deixou a platéia atônica, estonteada.

“O salão de beleza da comunidade da Rocinha tem muito a nos ensinar” foi apenas uma das muitas lições que Gian fez questão de enfatizar para mostrar que precisamos olhar o Marketing por outro ângulo. Por isso ele subverteu o conceito de Marketing 360°, propondo uma visão de 36°. “Precisamos de um ponto, de um foco”. E o que dá esta direção é justamente invertendo o processo.

Seguindo este conceito, as ferramentas de Marketing são apenas um fim. O começo, onde devem nascer as estratégias de Marketing, é no sentimento das pessoas e nas ideias dos profissionais de Marketing, muito mais calçadas na invenção do que em bases conhecidas e praticadas pelos seus concorrentes. "Em um mundo onde cada vez mais se tem acessos a meios de produção e comunicação comuns, temos que ser cada vez mais diferentes", disse Martinez.

Discutindo a relação
A forma inovadora da Coca-Cola de fazer Marketing fica exemplificada pelo lançamento do suco “Laranja Caseira”. A companhia pesquisou o segmento, seus consumidores e, principalmente, os não consumidores. Viu que a grande maioria não consumia sucos prontos simplesmente porque preferiam o natural. Além disso, a Coca-Cola viu que o "Papel que o suco tem para as pessoas vai além de uma bebida. Deveríamos vender amor em nossos sucos de caixinha", explicou o executivo. Por isso, o suco vem com gominhos, como nos sucos de laranja tradicionais e teve sua comunicação focada no emocional.

A emoção foi outro destaque desta edição do Seminário realizado pelo Mundo do Marketing. Karina Milaré, da TNS, Miriam Zanchetta, da Suvinil, e Eliza Duque Estrada, da Johnnie Walker, deixaram isso claro. A TNS com metodologias claras para identificar os mais profundos comportamentos de diversos tipos de consumidores, a Suvinil mostrando como vender mais mudando o conceito da tinta para um objeto de decoração, dando foco nas mulheres, e Johnnie Walker explorando o desejo de progressão pessoal de seus consumidores, promovendo muita experiência.

Saímos de mais um Seminário com a certeza de que precisamos revolucionar a forma como estamos fazendo Marketing pelo simples fato de o que está sendo realizado traz apenas os mesmos resultados. Baixa diferenciação e deixando os produtos longe de serem os primeiros no mercado. O Case da Oi também mostrou isso. É preciso aprofundarmos em pesquisas, em números sim, mas, é preciso olhar as coisas por outros ângulos.


Fonte: Por Bruno Mello, in Mundo do Marketing
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …