Pular para o conteúdo principal

Bons gestores separam o importante do trivial

A única tarefa de maior importância dos líderes é tomar boas decisões. Face à ambiguidade, incerteza e demandas conflitantes, com frequência sob forte pressão de tempo, os líderes precisam decidir e adotar uma ação efetiva a fim de garantir a sobrevivência e o sucesso da companhia. É assim que agregam valor à empresa: exercitando o bom discernimento, tomando decisões e garantindo que sejam bem executadas. O que realmente importa não é o número de decisões acertadas, nem mesmo qual o percentual de acertos nas decisões. Trata-se, em vez disso, do quanto o líder acerta naquelas que são mais importantes.

Os bons líderes não apenas tomam as melhores decisões como também são capazes de discernir quais realmente são as mais importantes e acertam a maioria delas. Assim, executivos eficazes não necessariamente tomam muitas decisões. Mas se concentram no que é realmente importante. Eles são melhores no processo como um todo, que vai desde perceber a necessidade de agir até formular as questões, descobrir o que é mais crucial, mobilizar e energizar os grupos. Também são capazes de fazer uma triagem no tempo e na energia que empregam. Em sua época de GE, Jack Welch costumava dizer que, se não fosse cuidadoso na forma como empregava seu tempo, poderia passar dias no escritório afundado até as orelhas com bobagens burocráticas, sem agregar valor à empresa. Se houver bom discernimento, pouca coisa mais importa. Se não houver, nada mais importa.

Tome qualquer líder. Há boas possibilidades de que você se lembre dele em função de suas melhores ou piores decisões. Roberto Goizueta, ex-CEO da Coca-Cola, foi demonizado por causa da Nova Coca-Cola e tornou a ganhar a sua condição de superestrela corporativa com o auxílio da Coca-Cola Clássica. Michael Dell, fundador da Dell, é o “Sr. Direto”. Carly Fiorina foi pioneira nas fileiras das mulheres executivas. Mas como será lembrada? Por “destruir a formidável cultura da HP”. A liderança é, em seu sentido mais restrito, uma crônica de decisões tomadas.

O sucesso a longo prazo representa a única marca visível do bom discernimento. É a essência da liderança. Não se trata de “a operação foi um sucesso, mas o paciente morreu” ou “ele agiu com brilhantismo, mas o resultado foi fraco”. O juízo alcança o sucesso quando o resultado atinge os objetivos definidos pela instituição. Ponto. Entusiasmo, boas intenções e trabalho árduo podem ajudar, porém, sem bons resultados, eles pouco importam.

Um equívoco célebre no julgamento do que é ou não importante foi cometido por Bill Gates entre o início e a metade da década de 90, quando a internet ganhava o mundo mas não passava do número cinco ou seis em sua lista de prioridades. Por isso, não foi Gates quem desenhou uma estratégia ligada à web para sua empresa. A ideia foi de um funcionário, que escreveu um memorando intitulado “O céu está caindo”. Nele, alerta que a Microsoft sairia dos negócios, a menos que o ouvisse. O documento chegou a Gates, e o resto é história.


Fonte: Por Alexandre Teixeira, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …