Pular para o conteúdo principal

Estar atrás é bom para motivar times e bater metas

Quem praticou – ou pratica – algum esporte competitivo provavelmente já viveu a sensação. Quando você está um pouquinho atrás, parece mais fácil juntar forças para virar o jogo. Ficar muito para trás faz a virada soar impossível. Até manter uma liderança apertada parece mais difícil. Preocupados com as implicações dessas ideias para a motivação de equipes em mercados competitivos, dois professores da Universidade da Pensilvânia resolveram descobrir se elas são verdadeiras ou não passam de uma lenda das quadras. Para investigar o assunto, Jonah Berger e Devin Pope analisaram resultados reais do maior campeonato americano de basquete universitário, o da NCAA, e conduziram testes em laboratório.

No estudo de campo, a dupla pesquisou os resultados de milhares de jogos entre 2005 e 2008 – foram analisadas 6.572 disputas em que a diferença no placar, no intervalo, não passava de dez pontos. Os professores separaram os grupos entre os que estavam apenas um ponto atrás do adversário no meio do jogo e aqueles que estavam em desvantagem maior. Segundo cálculos estatísticos, a expectativa era que os times que estavam atrás deveriam ganhar 46% das vezes. Na realidade, eles venceram a maioria dos jogos (51,3%). Essa capacidade de virada, porém, só se manifestou para a diferença de um ponto. À medida que a desvantagem de um time aumentava, suas chances de derrota se multiplicavam. Aqueles perdendo por seis ou mais pontos no intervalo foram batidos 80% das vezes.

Apesar de a análise ter comprovado a tese inicial, os autores também fizeram uma experiência controlada. A intenção era eliminar influências externas, como a atuação do juiz ou do técnico. No teste de laboratório, duplas de voluntários disputavam um jogo simples, em que vencia quem teclasse mais rapidamente uma sequência de As e Bs durante dois períodos de 30 segundos cada. Os jogadores só conheciam seu desempenho nos intervalos.

O resultado foi ainda mais claro do que o da pesquisa de campo. Depois de informados sobre o placar, no intervalo, todos os jogadores aumentaram seus esforços, mas em proporções diferentes. Os que se aplicaram com menor intensidade foram aqueles que estavam muito à frente. As pessoas que estavam um pouquinho atrás foram as que mais brigaram para virar a mesa. Elas mostraram um empenho quase três vezes maior do que o segundo grupo mais aplicado, o daqueles que estavam empatados.

Segundo os autores, a explicação está na forma como as pessoas se motivam. “Perceber que você está um pouco atrás dá uma referência e permite saber que com um pouco mais de esforço é possível alcançá-la”, diz Berger. Ele afirma que os resultados podem ajudar, por exemplo, a orientar empresas na hora de determinar objetivos para suas equipes. “Não podemos subestimar o poder da psicologia da motivação”, afirma. “Fixar em metas viáveis faz com que as pessoas trabalhem mais.” Ambição exagerada tende a desestimular mais do que motivar. A cenoura precisa estar visível para ser atraente.

NCAA – A associação nacional que reúne e coordena o esporte universitário nos Estados Unidos tem alguns dos campeonatos mais prestigiados do país e, curiosamente, é uma fonte constante para estudos acadêmicos na área de negócios.


Fonte: epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …