Pular para o conteúdo principal

Líderes devem estar atentos à execução

As organizações contemporâneas estão cada vez mais estruturadas para o trabalho em equipe. Quando se trata de tomar decisões, porém, é o líder quem se vê no centro do processo, circundado por todos os coadjuvantes. Como Jeff Immelt, presidente da GE, responsável por resoluções que afetam milhares de pessoas a cada dia, afirmou a Tichy e Bennis: “Sou eu quem toma cada uma das decisões, porém recebo muito aconselhamento. Não delego. É o tempo todo: ‘O que você acha? O que você acha? O que você acha?’ E aí, bum. Eu decido”.

Tamanha dose de responsabilidade é, naturalmente, um peso sobre os ombros da liderança. Mas é também um bônus nas histórias de sucesso. Em nossa cultura, que valoriza a autoria, é o líder quem ganha os louros da vitória sempre que acerta na decisão. Quando a revista Fortune atribuiu o título de Executivo do Século a Jack Welch, a reportagem citou sua famosa provocação: “Quem quer ser lento?”. Mas Welch só determinou o ritmo dos passos. Ele não teria realizado nada sem sua equipe e o pessoal de apoio, aqueles a quem denominava jogadores “classe A”, provedores das necessárias informações e executores das suas decisões.

Estas são as perguntas que os líderes precisam fazer a si mesmos. Os seguidores vêm quando você os chama? Na condição de líder, você é capaz de engajá-los e de alinhá-los? Sem essas habilidades, os líderes inevitavelmente fracassam, não importa quão brilhante seja a sua promessa. Lembre-se de como Catão comparou os dois mais brilhantes oradores da sua época: “Quando Cícero falava, as pessoas ficavam maravilhadas. Quando César falava, as pessoas marchavam”. A liderança não está simplesmente no discurso. É um certo tipo de discurso que faz as pessoas marcharem. Um bom discernimento sem ação não serve para nada.

Larry Bossidy, ex-CEO da Honeywell, diz que só pensar não adianta, se nada acontecer. Uma vez tomada uma decisão, é preciso mobilizar recursos, pessoas, capital e tecnologia. Do contrário, todo o processo de tomada de decisão é posto a perder. Dito de outro modo, por Andy Grove, da Intel: “Você opera com a estratégia errada e afunda. Você não executa com base na estratégia certa e afunda”.

Em seu mais recente livro, Ram Charan descreve como a DuPont reagiu à disseminação da atual crise econômica em apenas seis semanas. Os funcionários pareciam ter entendido a situação. As ações voltadas para proteger o caixa já haviam sido tomadas. Viagens foram reduzidas e terceirizados, dispensados. Mas Chad Holliday, o CEO, sentia que faltava senso de urgência para agir em outras frentes. Ele gastou, então, uma hora e meia com cada um dos 14 líderes da empresa para se certificar do que estavam fazendo. Foi uma atitude providencial. Todos trouxeram longas listas e pareciam confiantes. Mas havia um problema. “Eles falavam de coisas que seriam implementadas em janeiro ou fevereiro, quando precisávamos que fossem implantadas em outubro do ano passado”, disse Holliday.


Fonte: Por Alexandre Teixeira, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …