Pular para o conteúdo principal

Retomada requer modelo de gestão mais eficiente

Enxugar as despesas e cortar custos são medidas necessárias e urgentes em momentos de crise, mas, sozinhas, quase sempre insuficientes. Sobreviver às turbulências do mercado e conseguir traçar um plano para a retomada dos negócios exige mudanças mais densas e profundas nos modelos de gestão.

"Durante o período de crescimento dos últimos anos, observamos as empresas crescerem de maneira pouco estruturada. O mercado aquecido exigia pressa, respostas rápidas, e para atender a essa demanda as organizações foram atuando de forma desordenada", afirma o sócio da Booz & Co Paolo Pigorini.

A partir dessa situação, explica o executivo, criaram-se estruturas e modelos de gestão ineficientes e pouco ágeis, que não se sustentam na crise. Com base em estudo feito com diversas empresas brasileiras, chilenas e argentinas de médio e grande e porte - com faturamento anual acima de R$ 300 milhões - Pigorini constatou que um bom modelo de gestão deve abranger três pontos básicos: centro corporativo, unidades de negócio e serviços de suporte. E é preciso cuidar de todos ao mesmo tempo, pois são áreas que interagem e afetam umas as outras.

"Um dos principais problemas é a falta de clareza de responsabilidades. Há uma confusão de papéis nesses três blocos", afirma. Um caso recorrente, segundo ele, é a empresa ter um centro corporativo de tamanho exagerado, de custo alto e sem função específica. "Em algumas empresas o centro corporativo audita operações, em outras capacita talentos e pode também pesquisar e desenvolver produtos. O importante é definir bem qual o seu papel para que se possa cobrar resultados."

Um modelo de negócios desestruturado faz com que as unidades de negócios não se sintam bem servidas e acabem criando uma nova operação além da oferecida e compartilhada pela organização para atender determinadas necessidades. "As unidades de negócio devem ser organizadas adequadamente por segmentos, processos ou funcionalidade, além de terem um modelo apropriado para cada tipo de indústria", diz Pigorini.

Em relação aos serviços de suporte, o sócio da Booz & Co destaca a preocupação das empresas em centralizar as operações, mas não em melhorar os processos e as práticas para serem mais competitivas. "O prestador de serviço interno deve ter um custo menor ou, no máximo, igual ao do mercado e com nível de atendimento satisfatório para todas as unidades. O que vemos, porém, é que essas relações não estão estabelecidas. Falta controle e supervisão."

Pigorini ressalta que o ideal seria que as empresas reorganizassem seu modelo de negócios a cada 3 ou 5 anos para alinhar e atualizar sua gestão e seus processos. Se a companhia não tem esse hábito, pode aproveitar para fazer isso agora, na crise. "Esta é uma época que exige reações, atitudes e mudanças por parte dos líderes. É um momento oportuno para imprimir uma visão mais holística e menos segmentada nos processos e nas pessoas", afirma.


Fonte: Por Rafael Sigollo, in Valor Econômico
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …