Pular para o conteúdo principal

Recursos de comunicação on-line e marketing combinam com a atividade médica?

O Dr. Jay Parkinson é um jovem médico do Brooklyn (NY) que, ao diagnosticar a falência do sistema de atendimento de saúde norte-americano, resolveu atacar a ‘doença’ munido de uma dezena de ferramentas de comunicação e relacionamento on-line. Bonito e estiloso, o especialista em medicina preventiva, com mestrado em saúde pública, já foi personagem de várias matérias explorando seu lado ‘fashion’ e parece saber administrar sua popularidade com um bom marketing pessoal.

A receita prescrita por Dr. Parkinson e seus colegas da Hello Health, sistema que combina o conceito de médico de vizinhança com relacionamento on-line, é, além de consultas presenciais, acompanhamento do caso via e-mail, videochat, mensagens instantâneas, SMS e telefone. Myca, a plataforma digital em que o esquema está apoiado, é, ao mesmo tempo, um aplicativo de gestão de paciente e uma rede social.

O caso midiático envolvendo o Dr. Parkinson mostra a dimensão que as novas formas de tratamento médico podem tomar. Avanços tecnológicos e medicina sempre andaram juntos; marketing e comunicação são instrumentos importantes em qualquer ramo profissional, mas será que na área da saúde esse conjunto de fatores pode contribuir menos para o bem-estar do paciente do que para a carreira do médico?

“Marketing pessoal tem a ver com o impacto causado nos públicos de interesse”, esclarece Renato Gregório, administrador, especialista em gestão de carreira médica e autor do livro Marketing Médico – criando valor para o paciente (Editora DOC, 2009). “Os médicos têm certo preconceito com o termo, mas cada público com que eles se relacionam tem expectativas e o profissional que utiliza com inteligência os canais de comunicação certamente está em vantagem. Muitos médicos confundem, de maneira equivocada, marketing com propaganda”, afirma.

De acordo com Gregório, cada vez mais, as diversas mídias disponíveis auxiliam na relação médico-paciente, sendo aliadas na disseminação de informação e prevenção de doenças. “Mas ainda é um grande desafio para que esse movimento se transforme em realidade. Os canais de comunicação utilizados prestam mais um serviço de orientação do que tratamento”, acredita. “Métodos como os do Dr. Parkinson são bem aceitos pelo público final, mas não geram um impacto muito positivo em seus pares”.

O bom marketing pessoal, segundo Gregório, é aquele em que o médico consegue desenvolver ações para cada um dos seus públicos. A classe médica brasileira ainda não descobriu o poder da internet. Menos de 5% dos médicos no país possuem um website. “Se não cultivar o relacionamento com colegas, não comunicar-se bem ou não atender ao pedido de entrevista do seu jornal de bairro, por exemplo, em qualquer eventual deslize, nenhum desses públicos irá apoiá-lo”.


Fonte: Por Christina Lima, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …