Pular para o conteúdo principal

Blogagem e Twittagem coletivas no #DiadoRP

A idéia surgiu após ver mensagem no twitter do Pedro Souza, do Horizonte RP. “É muito blog de RP nesse Brasil para eu ler! Há uns dois anos eu reclamava que não tinha nada disso na net”, disse ele.

Então pensei! Bem que poderíamos aproveitar a força de todos esses blogs de RP no Brasil e realizar uma blogagem e twittagem coletivas para marcar o Dia Nacional das Relações Públicas, que acontece em 02 de dezembro. Pensei alto no Twitter e várias pessoas apoiaram de antemão a idéia lançada meio que por acaso.

Depois de trocar idéias on-line com o próprio Pedro Souza e os colegas RPs Rodrigo Cogo, Carol Terra e Gilceana Galerani, decidimos levar adiante a idéia de fazer algo simples e bem objetivo: uma “Blogagem e Twittagem coletivas no Dia das Relações Públicas”, que acontece no próximo 02 de dezembro.

Segundo dados do blog Ocappuccino, existem hoje no Brasil cerca de 211 blogs de Relações Públicas, em sua maioria ativos. No Twitter, incluindo profissionais e estudantes, somente na lista do Yan Blah temos 485 pessoas. Então, porque não unir todos esses blogueiros e twitteiros de RP em torno de uma grande mobilização coletiva em nossas redes sociais?

Tanto se fala em RP 2.0, que RP não faz RP para si mesmo, que nossas entidades pouco mobilizam a categoria, que RP isso, que RP aquilo... mas, na verdade, nós também pouco contribuímos para posicionar a atividade de Relações Públicas no mercado e na sociedade. Também se fala muito sobre comemorar datas, mas qual a diferença entre uma data específica e todos os demais dias do ano, principalmente no que diz respeito à atividade de Relações Públicas?

Talvez nesse dia 02 de dezembro de 2009 possamos fazer algo diferente, algo com mais intensidade pelas Relações Públicas, algo que contribua para projetar a atividade de RP junto aos nossos stakeholders: gestores, executivos, empresários, formadores de opinião, órgão públicos e entidades. Algo de que possamos participar, compartilhar e nos orgulhar em pertencer à profissão que abraçamos e nos dedicamos.

Concentrar esforços na reflexão sobre a importância estratégica da atividade de Relações Públicas para as empresas. Este deve ser o objetivo da nossa blogagem coletiva, em uma tentativa de concentrar as reflexões dos RPs espalhados por este Brasil. Formar "massa crítica" sobre esta idéia, posicionando a atividade de forma estratégica no mercado e na sociedade.

Relações Públicas precisa ter voz ativa no contexto do mercado e das organizações. E voz ativa, meus caros RPs, só teremos com informação, conhecimento e atitude. Por tudo isso, convidamos, em nome daqueles que partilharam esta idéia, todos os profissionais, estudantes e simpatizantes das Relações Públicas e da Comunicação Organizacional para, de modo conjunto e compartilhado, concentrarmos informação e conhecimento sobre a nossa profissão no dia 02 de dezembro, construindo uma verdadeira agenda positiva sobre o termo RP nas redes sociais.

Faça a sua parte. Participe da blogagem e twittagem coletivas no dia das Relações Públicas. Deixe nos comentários o link para o seu post ou para seguir você no Twitter. Faremos uma lista de todos que participaram. #DiadoRP
14 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …