Pular para o conteúdo principal

O consumidor mudou. E a publicidade?

O novo consumidor está cada vez mais exigente, rápido e informado. Esta nova dinâmica, ampliada com o empowerment proporcionado pelas redes sociais na Internet, promove uma nova forma de pensar o processo da relação entre marcas e consumidores. Segundo o presidente mundial da agência de publicidade McCann, John Dooner, a publicidade não é mais a essência do negócios de uma agência de comunicação. Ora, se mudou o consumidor, mudou também a forma de se relacionar com ele. Cresce neste contexto as atividades de ativação de marca, relações públicas e comunicação digital. Essa é a tônica do artigo de Yara Peres, sócia e vice-presidente do Grupo CDN. Confira!




O consumidor mudou. E agora?

Cadê aquele consumidor que estava aqui? É o que as agências de publicidade tradicionais devem estar se perguntando, se forem incapazes de olhar para frente e de reconhecer no seu velho e bom consumidor antigo, um novo e potente comprador, mais exigente, mais rápido e mais informado.

Li uma entrevista do presidente mundial da agência de publicidade McCann, John Dooner e vi que nem tudo está perdido. Há um olhar inteligente de algumas agências mundiais sobre o processo em curso da relação entre marca e consumidor.

Segundo Dooner, a agência que insistir em apostar todas as suas fichas apenas em publicidade, estará com os dias contados. As verbas de publicidade estão migrando para outras áreas da comunicação, como já havia anunciado há alguns anos Alvin Toffler.

Diz Doover: “a publicidade não é mais que 50% de nossos negócios. Metade de nossas atividades são ativação de marca, relações públicas e comunicação digital” e lembra que cansou de ver clientes que já não investem o que investiam em publicidade tradicional. Essas marcas entenderam que o consumidor mudou e, portanto, mudou também a forma de se relacionar com ele.

Segundo ele, o crescimento de outras atividades de comunicação reflete a pulverização de meios de comunicação trazida com a internet. “Alguns dos nossos grandes clientes destinam mais de 60% de seus investimentos à comunicação online”, diz ele e ressalta que isso inclui investimento em mídia social, websites e ações que impactam diretamente as vendas online.

Pois é, e nós das agências de comunicação corporativa (aqui chamadas de relações públicas pelo presidente da McCann) temos que estar também nessa trilha, afinal nossa tarefa básica é ajudar o cliente a fortalecer seus laços de relacionamento com seus consumidores e com a opinião pública. E para isso, é preciso estar sintonizado com seus desejos e suas novas formas de diálogo. Hoje, ele é a sua própria mídia. Como estabelecer contato com esse consumidor? Falando sua língua e usando suas próprias ferramentas para entrar em seu mundo e ouvi-lo.

Se perguntarem hoje “cadê aquele consumidor que estava aqui?”, a resposta seria algo parecido com: “está morto, enterrado e renascido de suas próprias cinzas, mais forte, menos ingênuo, ciente de sua individualidade e mais demandante”.


Fonte: Por Yara Peres - sócia e vice-presidente do Grupo CDN, in Blog da Yara

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …