Pular para o conteúdo principal

Publicidade é mais efetiva em pessoas cansadas

É senso comum imaginar que o melhor momento de passar uma mensagem publicitária para o consumidor é aquele em que ele está descansado e é capaz de entender e processar as informações. Bom, a realidade não é bem assim. Há algum tempo pesquisadores afirmam que um certo nível de cansaço torna as pessoas mais suscetíveis à propaganda. Em artigo publicado recentemente no Journal of Marketing Research, um grupo de estudiosos ligados a universidades americanas e de Hong Kong descobriram de que maneira o cansaço influencia as pessoas. Eles afirmam que o cansaço não torna a pessoa nem mais nem menos aberta à mensagem publicitária, apenas o cansaço induz a pessoa a ficar mais confiante sobre o que pensa em relação a essa mensagem. Será?




Marketing da estafa: Clientes cansados podem ser mais vulneráveis à publicidade

É senso comum imaginar que o melhor momento de passar uma mensagem publicitária para o consumidor é aquele em que ele está descansado e é capaz de entender e processar as informações. Bom, a realidade não é bem assim. Há algum tempo pesquisadores afirmam que um certo nível de cansaço torna as pessoas mais suscetíveis à propaganda. Agora, um grupo de estudiosos ligados a universidades americanas e de Hong Kong descobriram de que maneira o cansaço influencia as pessoas.

Em um trabalho recentemente publicado no Journal of Marketing Research, eles afirmam que o cansaço não torna a pessoa nem mais nem menos aberta à mensagem publicitária. O que ele faz é induzir a pessoa a ficar mais confiante sobre o que pensa em relação a essa mensagem. “Descobrimos que, quando estão cansados, os consumidores pensam ter sido mais ponderados no processo de analisar um anúncio e, como resultado, tornam-se mais firmes e confiantes nas crenças que constroem a partir daí – sejam elas positivas ou negativas”, afirma Derek D. Rucker, professor associado da Kellogg School of Management.

Um dos testes feitos pelos pesquisadores ajuda a entender o processo. Eles pediram que grupos de pessoas analisassem cuidadosamente anúncios de biscoitos e de pastas de dente. Os grupos foram divididos entre aqueles que estavam em um estado de estafa mental e outros descansados. Os participantes tinham de anotar suas atitudes em relação às propagandas e indicar sua decisão de comprar ou não o produto. Além disso, tinham de avaliar o quanto estavam confiantes sobre as suas avaliações e decisões.

Os grupos apresentaram opiniões semelhantes em relação aos produtos e à decisão de adquiri-los. A distinção aconteceu na parte sobre confiança. As pessoas mais cansadas se mostraram muito mais certas de suas opiniões. Mais ainda. Aqueles que tinham uma visão positiva dos produtos quando cansados apresentavam uma disposição muito maior de realizar a compra do que os que também tinham uma visão positiva, mas estavam descansados.

Para os estudiosos, isso sugere que as pessoas têm a sensação de ter passado por um processo mais completo de análise quando estão cansadas. Os pesquisadores acreditam que seu achado tem implicações para o dia a dia do mar¬keting. “Talvez seja mais interessante tentar atingir o público em momentos em que ele está mais cansado, como depois do trabalho”, afirma Rucker.

Além de poder tornar os profissionais de marketing mais impopulares, essa aposta também apresenta os seus riscos. É que se a avaliação da publicidade for negativa, as pessoas tendem a achar que suas opiniões são definitivas e fica mais difícil reverter essa impressão. Ou seja, é melhor que o anúncio seja bom.


Fonte: Época Negócios


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …