Pular para o conteúdo principal

Sustentáveis pelo lucro

Atualmente há uma tendência a um maior controle sobre as corporações. A estrutura de governança corporativa no capitalismo atual aparentemente está mudando com a inclusão direta e indireta dos consumidores, que passam a agir como eleitores, em seus atos de compra e em movimentos sociais. As corporações então se veem constrangidas, mais do que no passado, pela lei e pela mudança de valores de consumidores e gestores. Não se tornaram mais responsáveis ou boazinhas, continuam buscando o lucro, só que agora em um ambiente político, social e institucional muito mais crítico. As empresas se importam com sua sustentabilidade financeira, porém, a própria lógica do capitalismo, a busca do lucro, tão ingenuamente criticada por ambientalistas e críticos de esquerda, transformará o risco em oportunidade, na medida em que as corporações introduzirem em suas estratégias competitivas a agregação de valor social e ambiental ao consumidor. A corporação do século 21 vai criar, pela lógica da busca do lucro, os mecanismos do próprio controle, como um psicopata ciente da necessidade do uso de sua medicação. No futuro, a bondade será lucrativa. Leia e comente o artigo do economista Marcos Fernandes Gonçalves da Silva.





Prêmio Nobel de Economia de 1998, Amartya Sen produziu dois interessantes artigos, um mais recente, e outro, de 2004, que tratam de duas questões que, a meu ver, estão relacionadas: como combinar competição, iniciativa privada, busca do lucro, enfim, capitalismo, com responsabilidade social e ambiental? No primeiro artigo, o mais recente, o tema é a crise de 2008; no segundo, o problema da sustentabilidade em geral. Eles conseguem nos dar algumas pistas para não somente desmitificar a questão da sustentabilidade mas também construir uma visão realista sobre o tema. Particularmente, prefiro o termo sustentabilidade, em vez de responsabilidade social e ambiental. Qual a justificativa para isso? O objetivo deste artigo é exatamente demonstrar não somente a conveniência mas também a razoabilidade de se usar o primeiro termo.

Basicamente, Sen argumenta que a crise de 2008 mostra como devemos voltar às bases do capitalismo, aos seus fundamentos morais, sem perder de vista as virtudes da competição empresarial e da economia de mercado. Nas minhas palavras, não nas dele, a sustentabilidade da economia de mercado e das corporações depende de regulação, da lei, de valores morais e de regras de conduta que visem o bem comum.

A principal instituição do capitalismo é a corporação. Na verdade, quando falamos de corporações levamos em consideração grandes empresas de capital aberto, que possuem, em geral, atuação internacional e operam em ambientes extremamente competitivos e oligopolizados. As empresas, porém, nem sempre se organizaram dessa forma. A estrutura de governança corporativa no capitalismo clássico, aquele que podemos delimitar temporalmente entre o final do século 18 e meados do 19, pressupunha, em geral, empresas com controle familiar do capital, havendo coincidência entre a figura do dono e do gestor. A estrutura de governança não envolve somente esse aspecto mas também, como a sociedade organizada na forma de consumidores, comunidades e acionistas, controla, direta ou indiretamente, as corporações.

CAPITALISMO SELVAGEM - No contexto da formação da economia de mercado, simplesmente não havia nenhuma preocupação com consumidores, trabalhadores, comunidade e meio ambiente. Podemos chamar esse primórdio do capitalismo de “selvagem”. Foi esse sistema que Karl Marx criticou ferozmente. Mas Marx viria a errar, pois o capitalismo mudaria, assim como as empresas.

Ao longo da segunda metade do século 19, as empresas, nas economias que se desenvolviam rapidamente, começaram a abrir cada vez mais seu capital. Nesse momento, acionistas passam a possuir ações, enquanto a gestão fica a cargo de administradores profissionais. Uma barreira, que impedia um controle mais eficiente, porém complexo, das empresas, é rompida.

Até a década de 70, pouca coisa mudou e, entre os “participantes” da empresa, não se incluíam consumidores, trabalhadores e comunidades. Mas, a partir de então, algo de significativo aconteceu, capaz de mudar a face do capitalismo. Movimentos de esquerda, desiludidos com o chamado “socialismo real”, com o comunismo e com as falsas utopias marxistas, abraçam a causa do ambientalismo. O surgimento do partido verde na alemanha é um marco, bem como os movimentos ambientalistas organizados na sociedade civil. As corporações tiveram de se adaptar, inicialmente pela força da lei, ao controle indireto de suas ações e aos interesses organizados dos ambientalistas. Todavia, durante os anos 80 e 90, consumidores e comunidades começaram a exercer maior accountability sobre a ação das corporações.

Atualmente há uma tendência a um maior controle sobre as corporações. Controle esse que se amplifica na medida em que alguns grupos de acionistas se recusam a investir em empresas e setores considerados “moralmente pouco aceitáveis”, seja por causa dos danos ao meio ambiente, seja pela forma como tratam colaboradores, seja por questões políticas e sociais. A estrutura de governança corporativa no capitalismo atual aparentemente está mudando – sim, este processo mal começou, é gerúndio –, com a inclusão direta e indireta dos consumidores, que passam a agir como eleitores, em seus atos de compra e em movimentos sociais.

As corporações continuam as mesmas: buscam o lucro e devem fazê-lo. Contudo, elas se veem constrangidas, mais do que no passado, pela lei e pela mudança de valores de consumidores e gestores. Não se tornaram mais responsáveis ou boazinhas; não devem, a princípio, pensar em outra coisa senão o lucro. O que ocorre é que lidam agora com um ambiente político, social e institucional mais crítico.

Amartya Sen, no primeiro artigo citado, procura argumentar que a crise de 2008 abre espaço para uma discussão sobre os valores dentro do capitalismo e sobre as funções de uma economia de mercado que estão associadas à geração do maior bem-estar coletivo, com a minimização dos malefícios causados pela competição e pela busca do lucro. Passa a ser interesse dos acionistas, e do capitalismo, a sustentabilidade do sistema, no sentido amplo do termo. No segundo artigo citado por sen, o foco é outro – desenvolvimento e meio ambiente – mas está relacionado com o primeiro. O desenvolvimento é a busca de bem-estar máximo, minimizando-se os custos da competição e da busca sem fim do lucro – como a poluição e o aquecimento global. Mas o bem-estar das gerações futuras depende do que é feito no presente. Logo, passar males para as gerações futuras, como a degradação ambiental, é algo imoral. Portanto, as ações das corporações devem ser controladas, se as gerações atuais forem altruístas, para evitar danos futuros.

Este é o ponto: nada muda se a comunidade e os consumidores, bem como os acionistas, não desejarem! Não podemos compartilhar aqui a visão pouco útil, ingênua e, por vezes, cínica, segundo a qual as empresas se importam com “responsabilidade socioambiental”. As empresas se importam com sua sustentabilidade financeira e devem fazê-lo, já que precisam gerar benefícios aos donos do capital, os acionistas. Porém, se serve de consolo, a sustentabilidade das corporações, aparentemente, começa a depender de ações sustentáveis do ponto de vista social e ambiental, pois, do contrário, consumidores e até acionistas as penalizam.

A própria lógica do capitalismo, a busca do lucro, tão ingenuamente criticada por ambientalistas e críticos de esquerda, transformará o risco em oportunidade, na medida em que as corporações introduzirem em suas estratégias competitivas a agregação de valor social e ambiental ao consumidor. A corporação do século 21 – e isso nem marx percebeu – é tão astuta que cria, pela lógica da busca do lucro, os mecanismos do próprio controle, como um psicopata ciente da necessidade do uso de sua medicação.

É falso dizer que as corporações são responsáveis. Verdadeiro é afirmar que elas o são, um pouco a contragosto, no presente. Contudo, no futuro, serão muito responsáveis – e o serão com muita voracidade –, pois a bondade, para elas, será lucrativa. Um bom negócio, enfim.


Fonte: Por Marcos Fernandes Gonçalves da Silva - coordenador do centro de estudos dos processos de decisão da FGV-SP, in Época Negócios


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …