Pular para o conteúdo principal

A maioria silenciosa que gera impacto na marca

Não há mais como negar que a internet é um canal de comunicação com o consumidor, que está cada vez mais exposto a uma multiplicidade de meios, muitas vezes de maneira simultânea. A velocidade com que a comunicação alcança os internautas/consumidores, a forma pela qual interagem como as marcas de forma mais direta e ativa, deixando de ser apenas um destinatário da informação para ser também um produtor dela, são alguns desafios que devem ser considerados nas estratégias de mídia idealizadas pelas marcas. Aurora Yasuda, diretora de desenvolvimento de negócios da Millward Brown do Brasil, revela que a porcentagem de cliques em publicidade na web é muito pequena (apenas 1%), mas que a maioria silenciosa dos consumidores é impactada pela comunicação como instrumento de construção de marca na web. Recomendo a leitura!



Há vários anos, temos acompanhado o rápido crescimento da internet e o consequente aumento dos investimentos em comunicação das marcas neste meio.

A realidade está estabelecida e é atraente para as marcas: a rede é um canal de comunicação com o consumidor, um novo indivíduo que adquiriu diferentes comportamentos - está exposto a vários meios, muitas vezes de maneira simultânea. Ao mesmo tempo, este novo cenário traz inúmeros desafios, exigindo conhecimento aprofundado sobre este contexto de mídia.

A rapidez com que a comunicação alcança os internautas, a forma pela qual o consumidor interage no meio, com um papel definitivamente mais ativo, deixando de ser apenas um destinatário da informação para ser também um produtor dela, são outras questões que devem ser consideradas como desafios adicionais.

Para compreender o impacto da comunicação digital, é preciso medir sua eficiência. Segundo a DoubleClick, empresa do mercado de anúncios online que vem acompanhando as métricas do meio, a porcentagem de cliques em publicidade na rede é muito pequena, cerca de 1%. Uma informação de extrema importância para avaliar os planos de mídia e, ao mesmo tempo, que nos traz questionamentos quando pensamos em verificar de forma qualitativa quais tipos de abordagem contribuem ou não para a comunicação de marca.

A constatação de que apenas uma pequena parcela dos internautas clica nas peças online também nos traz uma pergunta: a maioria silenciosa não seria impactada pela comunicação como instrumento de construção de marca? Com certeza, sim. O desafio é buscar uma metodologia que vá além dos cliques e traga medidas da eficiência da comunicação nas métricas da marca.

Para ouvir a maioria silenciosa, a Millward Brown, com a Dynamic Logic - empresa do grupo -, desenvolveu uma metodologia para avaliação do impacto da comunicação nos atributos da marca. Ela é executada no mundo digital enquanto a campanha está no ar, controlando a exposição da peça e separando os grupos de internautas em expostos e não expostos. Resultados desses estudos têm indicado como a comunicação digital contribui para as métricas, especialmente em awareness e consideração à marca.

E a minoria que representa os grandes números da internet, o que traz de aprendizados? A análise das atitudes e comportamentos dessa minoria ativa oferece também alguns ensinamentos importantes sobre o que funciona ou não na internet. O aprendizado da Millward Brown, analisando a comunicação no mundo digital, mostra a importância da presença da marca de maneira bastante destacada em todos os frames da peça criativa, ou seja, o impacto da marca é proporcional à força da presença dela!

Esta consideração vai na contramão daquilo que aprendemos historicamente como o “mantra” da avaliação da comunicação de marca. Na TV, a capacidade de branding não tem relação com a presença da marca no filme, o número de vezes e o momento em que a marca aparece no comercial.

No mundo digital, a atenção do consumidor não está voltada para a tela do computador, mostrando uma sequência que dá o fluxo do conteúdo. O consumidor está ativo, buscando em telas menores e específicas assuntos ou conteúdos de seu interesse, na maioria das vezes relacionados a algum tipo de serviço. O desafio está em chamar a atenção para a marca. Vale a pena refletir a respeito!


Fonte: Por Aurora Yasuda - diretora de desenvolvimento de negócios da Millward Brown do Brasil, in Giro Ibope Edição 15, out/nov/dez 09

2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …