Pular para o conteúdo principal

A força do vídeo-release

Candace White, professor de marketing na Universidade do Tennessee, em Knoxville, e co-autor do relatório "How video news releases are used in television broadcasts" (“Como os releases em forma de vídeos são usados em transmissões de televisão”, em tradução livre), disse, mais de uma vez que, os diretores de emissoras demonstram grande interesse em utilizar video news releases (VNR) durante a programação.

De acordo com White, os vídeos que abordam saúde e segurança são os mais utilizados. Já os puramente corporativos, ocupam a lanterna. Fácil de se entender: o consumidor quer, cada vez mais, ter acesso a entretenimento, prestação de serviço e informações que facilitem o seu dia a dia e melhorem sua autoestima. O chamado novo tripé jornalístico!

Pago, na maior parte das vezes, pela empresa que pretender comunicar uma determinada notícia, o VNR é enviado, gratuitamente, aos meios de comunicação. Trata-se, na verdade, de um release transformado em imagens, que pode ser utilizado em sua totalidade ou editado – de acordo com as normas e padrões de cada emissora.

Um outro foco em potencial é a internet. Com o VNR, a assessoria de imprensa pode viralizar a informação, agregando valor à marca e ampliando o market share de produtos, soluções e espaços diversos.

Para lançar o seu canal no YouTube, o Women's Empowerment Channel (WEC), a escritora, palestrante e apresentadora Jennifer Keitt gravou um vídeo-release no qual reforça o seu know-how para ajudar as mulheres a terem um dia a dia melhor e antecipa algumas dicas que podem ser encontradas no WEC.

O resultado é um vídeo-release descontraído, protagonizado pela própria Jennifer Keitt, que orienta o universo feminino sobre autoestima, sexualidade, fatores financeiros, moda e fitness.

Na mesma linha informativa, o procurador americano José Klest, que tem mais de vinte e quatro anos de experiência em ajudar as vítimas de acidentes de carros, gravou um VNR no qual orienta os motoristas a como proceder em casos como esse.

É bem provável que o material, com duração de um minuto e muito bem editado, já tenha sido utilizado em muitos programas de televisão ou de Internet. Afinal, assim como Jennifer Keitt, Klest focou no novo tripé jornalístico.

Nos Estados Unidos, o Center for Media and Democracy (CMD) pesquisa essas veiculações. Em um relatório, identificou 77 emissoras de televisão que veicularam VNRs. Em alguns casos, esse tipo de material era incorporado na programação, sem distinção, como se fosse conteúdo das próprias emissoras – conferindo uma grande aceitação jornalística ao vídeo-release.

No Brasil, este tipo de material começa a ganhar importância entre as assessorias de imprensa e os profissionais digitais, principalmente para se divulgar eventos, fusões e lançamentos de produtos.

Em tempos de social media, toda iniciativa é válida para consolidar imagens e criar oportunidades. Neste contexto, o vídeo-release é protagonista e irá ditar as próximas regras e tendências. Cabe, então, aos comunicadores traçarem estratégias cada vez mais qualificadas, certeiras e – principalmente - criativas. É a mistura – cada vez mais real – do marketing com a assessoria de imprensa!


Fonte: Por Rodrigo Capella - jornalista e assessor de imprensa. Autor, entre outros, de “Assessor de Imprensa – fonte qualificada para uma boa notícia”.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …