Pular para o conteúdo principal

O podcast morreu?

Em 2008, o editor da InformationWeek.com, Alexander Wolfe, afirmou, em um artigo, que o podcast estava com os dias contados. Como justificativa, disse ter a impressão de haver mais criadores de episódios do que ouvintes.

Sustentou também que não conhecia pessoas capazes de defender a utilização de somente podcasts como fonte de informação. No lado oposto, Wolfe apontou que o vídeo iria alçar vôos maiores e ter um caminho diferente.

Dois anos depois, a realidade é outra: podcast e vídeo caminham lado a lado, rumo à popularização. Nas empresas, a cultura de utilização dessas ferramentas já está disseminada e muitas companhias traçam ações específicas, beneficiando-se com um melhor ROI.

Cada vez mais comum, o patrocínio de podcasts é uma forma de fixar marca, associar conteúdo e aumentar market share. A rede social Via6, dedicada a empresas e profissionais, obteve um bom resultado ao ser um dos primeiros patrocinadores do Escriba Café, podcast sobre literatura e história que tem mais de 15.000 downloads por mês, feitos por um público variado.

O valor do investimento? Aproximadamente R$ 400 por episódio.Caro? Não para as empresas, acostumadas a desembolsar quantias bem maiores. Outro caso interessante é o do energético em cápsulas SmartCaps, que, durante a Campus Party, patrocinou o SmartCast, podcast que “cobriu”, em vários episódios, as discussões do evento.

Neste contexto, a produção de conteúdo próprio e interativo também se consolidou. O Pod Ter Saúde, da Amil, ilustra essa profissionalização e cumpre o objetivo ao oferecer orientações saudáveis aos associados, proporcionando uma melhor qualidade de vida. Em um dos episódios, o alvo é a Doença de Parkinson, que afeta o sistema nervoso central. As análises e comentários ficam por conta de um especialista, o Dr. Manoel Jacobsen Teixeira, da USP.

Outras empresas como Disney, Purina, GM e Heineken também intensificaram os esforços no universo MP3, oferecendo ao público episódios com dicas sobre turismo, animais de estimação, música eletrônica, festas e mercado.

Esses exemplos mostram que o podcast irá sobreviver por um bom tempo. Mas, há público? Claro! Muitos ouvintes são como Alexander Wolfe: gostam de criticar a ferramenta, mas não vivem sem ela!


Fonte: Por Rodrigo Capella - assessor de imprensa, autor de vários livros, entre eles “Assessor de Imprensa – fonte qualificada para uma boa notícia”.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …