Pular para o conteúdo principal

Pensando Relações Públicas fora da caixa

Qualquer semelhança com o Brasil não é mera coincidência, mas em seu blog, o public relations Mike Boehmer, escreveu recentemente um post (em inglês) intitulado "As Relações Públicas precisam de uma campanha de Relações Públicas".

Em suas leituras sobre o que tem sido publicado a respeito do termo relações públicas, Mike percebe que a profissão é muitas vezes mal interpretada e compreendida. Pior1 O que se fala sobre RP contribui para formar uma impressão de que as estratégias e táticas de relações públicas nada mais são do que "perfumaria", algo projetado ou "plantado" para distrair ou desviar a atenção das pessoas sobre a verdade dos fatos.

Na visão do autor, toda essa falta de entendimento sobre as Relações Públicas é culpa nossa, dos próprios profissionais de RP, que aceitamos passivamente estes equívocos a respeito da profissão no mercado, razão pela qual defende (nas entrelinhas) o título do seu post: Uma campanha de RP para as Relações Públicas.

Como fato positivo, Mike revela que organizações como a Public Relations Society of America (PRSA) e a International Association of Business Communicators (IABC) têm tomado medidas para resolver o equívoco. A PRSA oferece uma "Teste de Acreditação em Relações Públicas" (TAEG), que consiste em provas orais e escritas para validar a capacidade do profissional e certificá-lo como apto para o exercício da profissão de Relações Públicas.

Seria mais ou menos algo semelhante ao que a OAB faz para conceder o registro aos advogados. O atual "Exame da Ordem", devidamente regulamentado pela entidade, foi instituído com o objetivo de selecionar profissionais qualificados para exercer a advocacia com proficiência, em prol da sociedade. Hoje, a OAB é respeitada pela sociedade enquanto entidade que legitima o discurso e os interesses da categoria. E por que não um "exame de acreditação" para Relações Públicas e Comunicação Organizacional?

Com formação, mas sem qualificação, não haveria como obter o registro e atuar no mercado, em qualquer área da Comunicação Organizacional. Infelizmente, isso não acontece no Brasil (ainda), mas talvez seja chegada a hora de se pensar sobre o assunto. Tenho visto o surgimento de novas profissões cujas características se assemelham à "gestão estratégica da comunicação e do relacionamento com stakeholders" (RP para mim é exatamente o que está entre aspas), tais como, Compliance, Gerente de Eco-relações, Analista de Networking, entre outras (veja mais aqui). Tudo isto sem contar as novas possibilidades de atuação no campo que tem sido designado como RP 2.0 ou PR Digital (eu prefiro chamar de redes sociais mesmo). O mercado de expande, as oportunidades se apresentam, mas, se não houver capacidade legitimada, o vácuo pode ser grande e as perdas irrecuperáveis.

Não estou certo se seria o caso, como sugere Mike Boehmer, de "fazer uma campanha de RP para as Relações Públicas", mas tenho certeza de que está na hora de repensar a atividade de RP no país. Reposicionar, levantar questões, posicionamentos, iniciativas e ações que agreguem valor à categoria no mercado. Pensar macro e estratégico ao invés de travar batalhas narcísicas de egos inflados. Está na hora de ampliar os horizontes e as discussões que promovam reflexão sobre a evolução e o futuro da atividade profissional de RP e do campo da Comunicação Organizacional. Enfim, se faz necessário e urgente produzir mais conhecimento teórico e empírico sobre a Comunicação Organizacional.

Mais que um convite, fica aqui a provocação: que tal pensarmos RP fora da caixa?
11 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …