Pular para o conteúdo principal

Novo modelo de capitalismo impõe redefinição de propósitos que beneficiem a sociedade


Em entrevista exclusiva ao Portal Mundo do Marketing, Philip Kotler aponta falhas na forma como as empresas conduzem seus negócios e quais serão os contornos de um novo mercado no futuro próximo.

Após anos perseguindo o lucro a todo custo, as empresas precisam repensar suas formas de atuação para continuarem no mercado. Em breve, não deve mais haver espaço para o capitalismo predatório, tal qual ele se configurou ao longo dos séculos. As pessoas desejam hoje marcas humanas, que trabalhem em prol do planeta e de seus habitantes. A partir de agora, o modelo econômico precisa se redimir dos erros do passado com urgência.

Para Kotler, o principal problema atual do capitalismo é a crescente desigualdade de renda e de riqueza. “O trabalho de uma empresa não é maximizar seus lucros às custas de todos os demais. Cada companhia deve redefinir o seu propósito, dizendo como pensa que seu trabalho está beneficiando a sociedade”.

Mundo do Marketing: Se você fosse apontar a principal falha do capitalismo, entre as 14 listadas em seu novo livro, qual seria?
Philip Kotler: O problema fundamental é a crescente desigualdade de renda e de riqueza. O segundo capítulo de Confronting Capitalism discute essa falha, que leva a muitas outras questões. Ela conduz à alta remuneração para poucos e a outra bem baixa para muitos. A consequência é um grande número de pessoas pobres, com baixa renda. Até mesmo a Classe Média precisa se endividar para comprar os itens de necessidade básica. O alto nível de endividamento do consumidor é resultado de uma remuneração inadequada à nossa força de trabalho.
Este baixo nível de salário também leva à baixa taxa de crescimento econômico, porque as pessoas não têm dinheiro suficiente para comprar os bens que a indústria produz. Isso, por sua vez, causa o ciclo de expansão e contração do capitalismo, já que a especulação começa assim que a situação parece melhorar e, logo, torna-se exagerada. Enquanto isso, os ricos e super-ricos começam a financiar os políticos cujos interesses pairam sobre a proteção da riqueza e a manutenção dos baixos salários e benefícios sociais. A democracia se torna uma pseudo-democracia, na qual cidadãos votam, mas têm pouca influência sobre o resultado. Falo desses e de outros problemas no livro.

Mundo do Marketing: A economia compartilhada e a tecnologia estão impactando o modelo tradicional de capitalismo ao redor do mundo, com companhias como Uber e Airbnb gerando desafios para as indústrias de transporte e hoteleira. Você acredita que essa pode ser uma nova via para o capitalismo?
Philip Kotler: Este é basicamente um bom desenvolvimento, que leva a mais emprego e renda em uma sociedade em que há uma crescente escassez de postos de trabalho. Aqueles que têm ativos (como carros ou casas) podem alugá-los e rentabilizá-los. As pessoas vão cada vez mais se tornando uma classe de locadores, deixando que outros usem suas máquinas de cortar grama, suas coleções de música etc. Mais pessoas vão mudar para a mentalidade dos empreendedores, que é a base de uma sociedade inovadora.

Mundo do Marketing: Crises são parte dos ciclos do capitalismo, o que impacta diretamente os negócios. Como reduzir esses efeitos em momentos como o que o Brasil vive hoje?
Philip Kotler: A ocorrência de altos e baixos são uma característica inerente ao capitalismo, mas esses momentos podem ser antecipados e moderados. O papel do governo é justamente domar as especulações quando se torna evidente que um momento de baixa se aproxima, antes que ele leve a uma verdadeira crise. O governo pode usar a política monetária e fiscal para suavizar a subida do PIB de forma que ele não exploda.

Mundo do Marketing: Qual o papel das gerações mais jovens no processo de mudança do modelo capitalista?
Philip Kotler: Os Millennials são um tesouro com suas novas habilidades digitais e nas mídias sociais. Mais empresas vão ser vaporizadas se falharem na aquisição dessas habilidades. A nossa economia verá mais produtos e dispositivos se desdobrando em APPs em nossos smartphones, por meio dos quais fazer pedidos é fácil e ir a lojas físicas, menos importante. Os Millennials trarão uma mentalidade mais empreendedora para as empresas.

Mundo do Marketing: Como companhias que foram guiadas pelo lucro em primeiro lugar por décadas devem agir de agora em diante?
Philip Kotler: O trabalho de uma empresa não é maximizar seus lucros às custas de todos os demais. A tarefa da companhia é criar valor e compartilhar esse valor com acionistas, funcionários, fornecedores e distribuidores, em uma base justa. Cada empresa deve redefinir o seu propósito, dizendo como pensa que seu trabalho está beneficiando a sociedade.


Fonte: Por Bruno Mello e Renata Leite, no Portal Mundo do Marketing, disponivel em http://boo-box.link/21W20


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …