Pular para o conteúdo principal

O comportamento de crianças e adolescentes na Internet (parte 2)

Ainda sobre o estudo realizado pela Intel Security, intitulado "Realidade cibernética: O que os pré-adolescentes e adolescentes estão fazendo online", que examinou os comportamentos online e os hábitos nas redes sociais de crianças e adolescentes com idades entre 8 e 16 anos, confira outros resultados da pesquisa no Brasil:

Mídias sociais
A maioria das crianças (89%) com idade entre 8 e 16 anos já é ativa em redes de mídia social. O índice é de 83% entre crianças de 8 a 12 anos, e de 97% entre adolescentes de 13 a 16 anos. A maioria das crianças criou sua conta no Facebook quando tinha entre 8 e 10 anos de idade.

Quase todos os pais (97%) afirmam já ter tido alguma discussão com seu filho sobre os riscos das mídias sociais. Os temas mais discutidos com as crianças são cibercrimes e roubo de identidade (79%), reputação (77%), configurações de privacidade (70%) e ciberbullying (66%).

Parte dos filhos (26%) diz usar nomes falsos ou apelidos em seus perfis de mídia social. O principal motivo para isso é que eles não querem que colegas saibam que são os responsáveis pelo que estão postando (53%). Para 40% das crianças o motivo de usar nomes falsos é porque estão preocupados que os pais ou professores descubram que estão envolvidos com algum conteúdo impróprio.

Ciberbullying
Mais da metade das crianças (52%) já testemunhou algum comportamento cruel nas redes sociais. Entre elas, 11% dizem já terem sido vítima de ciberbullying e 24% indicam já terem cometido bullying em mídia social.

Elas afirmaram realizar atividades como criticar uma pessoa para outras (14%), chamaram alguém de gordo ou feio ou zombaram da aparência física de alguém (13%). Os principais motivos citados para justificar o bullying são porque os outros foram maus para eles (36%) ou simplesmente porque não gostam dessas pessoas (24%).

Um terço (33%) das crianças relatou já ter visto uma foto inadequada em redes de mídia social.

Dispositivos móveis
A maioria dos pais (88%) afirma ficar mais preocupado com a atividade online de seus filhos porque as crianças tem um dispositivo móvel. Mais de setenta por cento (72%) achas que seus filhos passam mais tempo em mídias sociais no dispositivo móvel do que no PC. Para os pais com filhas com idades entre 13 e 16 anos esta porcentagem é mais elevada, 90%.

Setenta por cento (70%) das crianças passam mais de duas horas por dia em seu dispositivo móvel. As atividades mais citadas são assistir vídeos (62%), utilizar mídia social (59%) e trocar mensagens de texto (47%).

Interação com outras pessoas
Uma em cada quatro crianças (25%) diz que se encontraria ou já se encontrou pessoalmente com alguém que conheceu online.

Sessenta e cinco por cento dos pais (65%) acham normal o filho ter amigos adultos em mídias sociais. Quase todos (99%) esses pais não se preocupam se o adulto em questão é um parente ou alguém que eles conheçam e 71% não se preocupam se é um professor.

Mais de um terço dos filhos (37%) dizem saber as senhas de outras pessoas e 42% deles já acessaram alguma conta dessas pessoas sem que elas soubessem. As principais razões para isso são: alterar configurações ou imagens para fazer piada (49%) e para ver se eles estavam conversando com um ex (28%).

Confira resumo da pesquisa no Infográfico abaixo:





Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …