Pular para o conteúdo principal

Orçamentos de marketing digital crescerão 8% em 2015



Orçamentos de marketing digital crescerão 8 por cento em 2015, de acordo com projeções do Gartner sobre gastos dos CMOs, a partir de uma pesquisa envolvendo seis diferentes setores: alta tecnologia, serviços financeiros, manufatura, varejo e transporte, mídia e hospitalidade. O levantamento ouviu diretores de marketing de 315 empresas com receitas totalizando 500 milhões de dólares por ano, ou mais.

Os resultados mostram que a influência do marketing sobre os gastos com tecnologia é crescente e assim permanecerá até 2017, com CMOs programando gastar mais com novas tecnologias do que os CIOs. Na verdade, segundo as empresas ouvidas pelo Gartner, 25 por cento do seu orçamento anual foi gasto em esforços de marketing digital em 2014; e metade delas devem aumentar os orçamentos de marketing digital em 2015.

O Marketing digital tem experimentado um crescimento importante, de acordo com o estudo, com empresas começando a ter estratégias on e off mais coesas. Com isso, a adoção de tecnologia de marketing também tem crescido em várias áreas, incluindo CRM, marketing digital, banco de dados, automação de marketing, análise de clientes, marketing móvel e comércio eletrônico.

A área de Marketing é totalmente responsável pela escolha e gestão de prestadores de serviços de marketing em 83 por cento das empresas e também escolhe os fornecedores de tecnologia em 71 por cento delas.

O alcance da influência se estende ao software, com 75 por cento das empresas relatando que o marketing controla o orçamento para consultoria e design de software relacionados com o marketing; 47 por cento das empresas afirmaram que o marketing controla o orçamento para a aquisição de software como serviço (SaaS), enquanto 43 por cento responderam que o seu orçamento de marketing estende-se à hospedagem externa de tecnologia para rodar software relacionado com marketing.

Marketing significa dinheiro
Parte da mudança vem do fato de que os sites agora são mais do que meros destinos para aprender mais sobre uma empresa ou produto, de acordo com Chris Vennitti, vice-presidente de HireStrategy. Os sites se tornaram máquinas de geração de receita e, com isso, um monte de novas responsabilidades foi parar sobre os ombros das equipes de marketing. Isto é especialmente importante diante do crescimento do marketing móvel e da publicidade segmentada.

O crescimento na publicidade segmentada pode ser associado ao fato de que os sites das empresas precisam ser fortemente focados na experiência do cliente, de acordo com a Gartner. "A experiência do usuário final é considerada por muitas empresas driver do projeto de inovação, superando por pouco a inovação de produtos", diz Jake Sorofman, diretor de pesquisa do Gartner.

O que isso significa para TI?
Bem, na opinião do Gartner, o futuro da TI provavelmente envolverá maior colaboração com marketing. "Os profissionais de tecnologia se tornarão mais responsáveis pela condução dos negócios e pela geração de receita, em vez de apenas apoiar o crescimento das empresas", diz Vennitti.

"Iniciativas de TI serão cada vez mais baseadas na necessidade de trabalhar lado a lado com o marketing, desenvolvendo novos produtos, em vez de apenas desenvolver os sistemas que favoreçam o negócio."

E quanto à relação entre CMOs e CIOs?
Ainda de acordo com o Gartner, a relação entre os CIOs e os CMOs envolverá uma colaboração muito maior. "Esses profissionais já começaram a trabalhar de forma mais colaborativa", salienta Vennitti, uma vez que o crescimento nos orçamentos de tecnologia de marketing começou em 2011. "Há um monte de profissionais da área de TI com reporte matricial para o CIO e o CMO, o que ajuda a impulsionar novas ideias de design de produto e promove o crescimento", completa.
Além disso, muitas empresas já aprenderam que o uso de novas tecnologias e de software aumenta o risco de violações de dados e de ataques. "É mais difícil manter o controle sobre as medidas de segurança e sobre os processos de gestão de risco com outros departamentos assumindo o orçamento com aquisição de tecnologia", diz Vennitti.


No passado, sempre foi responsabilidade da TI assegurar que a empresa permaneceria segura, mas isso tem mudado com a maior penetração da tecnologia na empresa. É difícil supervisionar o uso digital da empregado no nível individual, ao delegar para outras equipes a adotação de um novo software. Por isso, será preciso aumentar o foco em gestão de riscos na área de marketing. Oportunidade que deve ser aproveitada pelo CIO para melhorar o relacionamento com o CMO, garantindo que a área de marketing tem as ferramentas de que necessita para permanecer segura.


Fonte: Por Sarah K. Branco, in ComputerWorld, disponível em http://boo-box.link/22A1Y

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …