Pular para o conteúdo principal

Os negócios conseguirão se adaptar à internet das coisas?


Máquinas inteligentes conversando entre si e gerando uma montanha de dados para aprimorar suas funções. Bem vindo a internet das coisas. Segundo o Business Insider Intelligence (BII) – braço de pesquisa do portal de negócios Business Insider – a internet das coisas tem e terá um grande impacto na vida das pessoas e nos processos industriais .

Em 2018 cerca de 9 bilhões de equipamentos estarão conectados à internet das coisas (hoje são 1,9 bilhão), o que será equivalente a todos os smartphones, smart TVs, tablets, dispositivos vestíveis (wearables) e computadores pessoais somados. Mas qual será seu impacto no mundo dos negócios?

Especialistas apontam cinco tendências nesse setor para a internet das coisas nos próximos anos. Em primeiro lugar, o foco tecnológico maior será voltado aos serviços. Até agora, esse foco tem se concentrado em equipamentos. “O maior faturamento não advirá do hardware, mas de serviços múltiplos”, prevê Raj Badarinath, diretor de marketing do provedor de soluções Avangate. Em sua opinião, em vez de realizar uma venda única de equipamento, oferecer uma variedade de serviços pode ampliar em muito o leque de clientes.

Analisar e aproveitar o big data da internet das coisas será o segundo desafio. O volume de informação gerado por aparelhos conectados vai crescer exponencialmente. “A internet das coisas não é somente a conexão de câmeras, cozinhas ou veículos”, afirma Todd Krautkremer, vice-presidente do serviço de computação em nuvem Pertino. As empresas precisarão analisar essa montanha de dados para realizar projetos que sejam relevantes e impactantes. “Mas como tornar esse big data inteligível e acessível do ponto de vista de negócios?”, lança ele o desafio.

Aí entra a terceira tendência: a importância da computação em nuvem para garantir que todos os equipamentos conectados sejam devidamente monitorados e atualizados em tempo real. No caso dos negócios, o mais importante é garantir o acesso aos dados coletados para definir as melhores soluções em relação aos clientes – sua maior prioridade. “Empresas têm de acompanhar atentamente as experiências de seus clientes”, aconselha Linda Smith, CMO da empresa de computação em nuvem Twilio. Sobretudo as pequenas empresas devem se valer dessas informações para poder competir com corporações maiores, que geralmente dispõem de serviços próprios nessa área.

A quarta tendência é um alerta: os riscos de segurança crescerão à medida que mais e mais equipamentos se conectarem entre si. “Se um equipamento está conectado, então pode ser hackeado. Com sistemas de segurança totalmente automáticos, alguém pode invadi-los, travá-los e até mesmo apagar as luzes do local antes de entrar nele”, alerta Walker White, CTO do provedor de soluções BDNA. Isso não significa que devamos evitar a internet das coisas, já hoje uma realidade irreversível e que trará enormes benefícios. “A resposta é sempre agir com cautela”, recomenda White.

Por ser irreversível, a quinta tendência é justamente a adoção da internet das coisas por todos os tamanhos de negócios, sobretudo os pequenos, que normalmente aderem mais tarde às tecnologias. Waqas Makhdum, vice-presidente de marketing da plataforma Kii , recomenda investimentos principalmente em tecnologias de sensores, análise de dados e infraestrutura para abarcar todo o volume de conectividade resultante. O treinamento de pessoal tanto para relação com clientes como para processos internos também deve ser prioridade para que se obtenha a maior vantagem possível da internet das coisas. “Enfrentaremos em tempo real desafios inesperados e imprevistos, por isso é importante a colaboração mútua da indústria, em consórcios, por exemplo, para nos prepararmos a essa nova realidade”, sugere Makhdum.




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …