Pular para o conteúdo principal

Vendas: O que fazer quando o cliente diz que o produto é caro?



Uma das coisas mais difíceis de mudar é o comportamento coletivo de uma sociedade. Achar caro e pedir desconto é um deles. Em qualquer segmento, seja para o consumidor final, seja para negócios entre empresas, o brasileiro sempre acha caro e sempre pede desconto.

Tanto é assim que isso se transformou em prática comercial, a qual, pessoalmente, considero nociva às relações de consumo, pois cria uma falsa realidade sobre o valor que os produtos ou serviços realmente têm para os clientes.

Mas será que é possível mudar isto? Acho que sim. Mas requer determinação, disciplina e principalmente entendimento sobre o valor que os produtos e serviços oferecidos agregam não para você, mas para o seu ciente.

Vale para a situação uma máxima já bem batida: a de que é necessário conhecer e entender a necessidade de seu cliente para depois oferecer um produto ou serviço. Isso se aplica seja na simples venda de varejo, seja na venda mais complexa entre empresas.

Lei de Gérson
Infelizmente, aquele ditado chamado de “Lei do Gérson”, lá da década de 70, ainda tem sua validade nesses nossos tempos. Para os mais novos, esta “Lei” vem de uma propaganda de cigarros que passava na TV, na qual o então meia da seleção brasileira tricampeã mundial afirmava: “o brasileiro gosta de levar vantagem em tudo, certo?”.

Esta autoimagem, criada por nós mesmos, ajudou a trazer para nossas relações de consumo um clima de que todos poderão querer levar vantagem, e que todos precisam se prevenir.

A consequência natural é um comportamento comum ao consumidor brasileiro, que tem em mente: “se não é isso tudo, pelo menos paguei barato”. Ou seja, se o preço for aceitável, o brasileiro não se importa com a qualidade ou o valor do produto ou serviço. Por isto o “achar caro” e o “pedir desconto” fazem parte de seu comportamento de compra.

A boa notícia é que convencer o cliente do contrário só depende de você.

Como mudar esse comportamento?
Algumas mudanças simples na sua prática comercial e a eliminação de certos vícios de sua equipe comercial poderão ter efeitos dramáticos no comportamento de compra do seu cliente, esteja ele em sua loja, seja ele um representante de uma empresa comprando um produto ou serviço que você vende.

Nunca assedie o cliente com ofertas ou promoções. Você estará dando uma chance prematura e desnecessária para ele barganhar com você. Existe uma fase no comportamento de compra em que o possível comprador está reconhecendo uma determinada necessidade e buscando alguma coisa. Interaja com ele ou ela, investigue, mas sem pressão.

Quando está pronto para começar a escolher, o cliente começa a avaliar se o que você vende vai ao encontro do que ele ou ela precisa. A esta altura, você terá que colocar em prática o que aprendeu e provar que poderá atender ao que o cliente busca.

Finalmente, só discuta o preço e comece a negociar, se for o caso, depois de se certificar que o cliente dá valor ao que você oferece. Quanto maior for o valor que o cliente percebeu na sua oferta, menor a chance dele achar caro e menor ainda será o desconto que você terá que dar. 

Vender é uma resposta a comprar. O trabalho de vendas é entender os sinais que o cliente emite e reagir de acordo com a natureza destes sinais. Toda a venda tem o seu tempo, o seu ciclo. Desrespeitá-lo para acelerar a venda poderá obriga-lo a concessões desnecessárias para fechar o negócio.

Lembre que a “Lei do Gerson” é ativada sempre que existe a precipitação do vendedor.



Fonte: Por Enio Klein - gerente geral nas operações de vendas da SalesWays no Brasil, disponível em http://boo-box.link/22A2N
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …