Pular para o conteúdo principal

6 Dicas para montar uma vitrine irresistível para o cliente



Atrair os clientes para consumir por meio da exposição de seus produtos é algo comum, porém complexo. Isso porque, para tanto é necessário, compreender o comportamento humano, precisamente no aspecto de aquisição. Há certa diferença entre o comportamento de consumo do de compra, pois compreender tais diferenças é uma competência a ser adquirida para definir as estratégias de marketing de seus produtos.


A compra é a efetivação do consumo ou o ato de adquirir um produto. Consumimos para satisfazer necessidades e temos uma percepção que seleciona aquilo que é essencial para nosso cotidiano e para essa satisfação.
Assim, cabe empreendedor, definir uma boa exposição de seus produtos pode chamar a atenção dos clientes e, mesmo se em um exato momento a compra não seja efetivada, a lembrança de sua marca ou de seus produtos/serviços é o caminho para o sucesso de vendas.
Sabemos que uma das ferramentas para essa exposição é a vitrine, que, em tempos de avanço tecnológico, pode ser física ou virtual. Conheça agora 6 dicas (conceituais) para direcionar as vitrines físicas para seu objetivo. Lembre-se que exposição é a palavra-chave para criar e montar uma boa vitrine, atraindo os clientes a compra.
Dica 1. Antes de tudo, pense sempre na exposição de sua missão e cultura enquanto empresa. É necessário criar uma identidade entre sua marca e seus produtos, para chamar a atenção do consumidor quando o mesmo estiver andando pelos corredores de compra. A vitrine tem que expor sua essência, ao passo que basta pensar em sua marca para o cliente saber quais produtos encontrará na loja.
Dica 2. A exposição de sua missão e cultura passa pelo estudo de qual público-alvo você quer atingir. Todo processo criativo de uma vitrine tem que levar em conta os compradores, assim como os corredores frequentados pelos mesmos. Caso a loja esteja localizada em uma rua comercial, crie uma vitrine voltada para o público que ali frequenta. O mesmo se aplica para lojas em shopping centers, certifique-se apenas que sua vitrine, além de se voltar ao público-alvo, está de acordo com o perfil de frequentadores daquele espaço.
Dica 3. Pense na exposição de um padrão visual, escolha objetos e cores para que a percepção dos consumidores selecione sua vitrine em todos os espaços comerciais frequentados. Criar padrões é fazer com que a marca seja lembrada todas as vezes que o consumo é transformado em compra. Lembre-se: um padrão conceitual traz valores agregados aos produtos.
Dica 4. Aposte na exposição de um mix de produtos que chame a atenção para outros dentro da loja. A venda deve conduzir o comprador a desejar e necessitar outro produto e, assim, efetivar uma nova compra. Tenha cuidado para não poluir a vitrine com uma diversidade de produtos sem relação entre si, muito menos com o corredor de compras. Mantenha “certa” relação com as vitrines de seus concorrentes, para atrair outros consumidores.
Dica 5. Trabalhe na exposição dos objetivos temporais de suas vendas, como o lançamento de uma coleção nova, vendas em datas comemorativas (como Natal, Dia dos Namorados, etc.), períodos de liquidação ou, até mesmo, na inovação de troca dos elementos decorativos de sua vitrine. Consumidores gostam de compreender claramente qual o objetivo da vitrine, isso faz parte da relação de consumo e compra.
Dica 6. Aproveite a vitrine para exposição de todos os valores éticos que permeiam sua relação com os clientes, inclusive a postura da equipe de vendas. Não adianta montar uma vitrine conceitual, que valorize seus produtos e sua missão, se a equipe de vendas não reflete tais valores. Selecionar, desenvolver e motivar sua equipe é a materialização relacional entre sua vitrine e o comportamento de compra dos clientes.

Fonte: Disponível em http://boo-box.link/235J9

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …