Pular para o conteúdo principal

Etnografia no Consumo




Já faz algum tempo que a antropologia deixou os corredores das universidades e invadiu os debates acalorados do mundo corporativo. E me parece que as análises antropológicas vêm ganhando cada vez mais espaço. Hoje, seja nas reuniões de marketing ou nos encontros secretos dos departamentos de RH, o conhecimento antropológico é visto como um olhar possível e a tal da etnografia já caiu na boca do povo. Mas como acontece com todo processo de aprendizado? Há muita gente falando a nova língua com um forte sotaque gringo, sem saber bem o significado das palavras, perdido entre as regras de acentuação e conjugação que fazem parte do pensamento antropológico.
Certa vez, em um congresso de comunicação, tive a chance de ouvir um profissional do mercado contar sobre as dificuldades de se conectar com os seus consumidores. Contou que não falavam a mesma língua, não tinham os mesmos interesses e os canais de comunicação usuais já estavam pra lá de desgastados. Foi quando ele teve uma ideia. Sabendo que precisavam compreender os desejos e as necessidades de seus assinantes, pensou: “Vamos fazer uma etnografia!”.
A primeira providência que tomou foi convocar seus melhores gerentes de marketing para uma reunião. Pediu que se reservasse um restaurante estrelado no último andar de um hotel de luxo.E se convidasse alguns consumidores para um coquetel. O objetivo era se aproveitar do clima descontraído do evento para, entre um drinque e outro, buscar pistas que justificassem a queda nas vendas.
Depois do encontro, tinham em mãos um conjunto de observações perdidas e uma coleção de frases soltas pescadas ao longo da noite. Segundo o diretor, estava feita a etnografia. Era isso uma etnografia? Eis a questão. Se essa pergunta fosse feita a mim, a resposta seria não. Etnografia nada mais é do que um método de pesquisa. Um caminho que os antropólogos encontraram para compreender os hábitos, os costumes e formas de pensar os consumidores. E como esse método surgiu?
No momento em que os pesquisadores começaram a perceber que os velhos questionários, simples entrevistas e os relatos de viajantes não davam conta da complexidade dos grupos estudados. E como a gente faz isso? Primeiro, tem de ter uma questão, um por quê. Sem problema, não tem pesquisa. Depois, com todas as questões na cabeça, é só partir para o campo. A gente precisa se encontrar com as pessoas. Precisamos conversar, observar, questionar, tentar entender como vivem e pensam. Sem observar o cotidiano dessas pessoas in loco, no lugar onde vivem, fica difícil fazer etnografia. Ainda falta um ponto fundamental. Depois que acaba a investigação, a gente precisa colocar os dados obtidos para conversar com os autores clássicos da antropologia. Sem isso, tudo vira só uma coleção de dados pitorescos, sem razão de ser. Sem análise dos dados, sem a busca dos porquês, não temos etnografia e muito menos antropologia.


Fonte: Consumoteca, disponível em http://boo-box.link/235JJ




Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …