Pular para o conteúdo principal

Overdose de Informação

Por Cibele Silva

Foto divulgação da revista Info Exame nº 286


Semana e Fim de semana. Dois imensos jornais de domingos, uma pilha de revistas nacionais e internacionais de negócios, de informática, de modas, de fofocas, outra pilhas de livros que comprou durante a semana, mas os clippings da empresa e as publicações especializadas, dois filmes que você alugou, o especial na TV, o jornal, o cinema, o teatro. E é claro a Internet – Como alguém pode fazer parte do mundo hoje sem navegar na internet? A lista de FEED, o twitter, o Orkut, o facebook, inúmeras ferramentas para acompanharmos.


Nós estamos viciados em internet em informação não conseguimos ficar de férias sem checar os emails e as redes sociais.


Em agosto de 2009 eu fui a uma palestra na Beth Saad, no Ciclorama.


Ela passou nos passou o vídeo Did you Know 3.0. Estou colocando uma versão em português para vocês aqui, mas recomendo que vocês assistam todos que estão no Youtube.


O vídeo é muito informativo e traz em 5min16 traz mais de 30 notícias curiosas, como:


- Existem mais de 200 milhões de usuários registrados no Myspace e se ele fosse um país, séria o quinto maior do mundo, entre o Brasil e a Indonésia.

- E qual foi o primeiro país número 1 em acesso a internet banda larga?

- O País de Bermuda - O EUA fica em 19º e o Japão em 22º lugar na lista.

- A primeira mensagem de texto foi encaminha em 1992. Hoje o número de mensagens por dia ultrapassa o número total da população mundial.

- Estima-se que 4 exabytes de informações foram gerados somente em 2009 – Isso é mais do que os últimos 5.000 anos.


Será que amanhã lembraremos tudo isso?

Realmente é uma overdose de informação e se não nos policiarmos tudo fica fictício.

Será que tem como absorvermos tantas informações?


A professora Beth Saad nos deixou a dica de guardar em arquivos os bons artigos para ler posteriormente novamente e fixar boas informações. Assim mesmo que viciados em informações podemos absorvê-las.


Segundo a matéria publicada na revista Info Exame nº 286 – dezembro de 2009. Cerca de 10% dos internautas no mundo podem ser considerados dependentes de informação e sofrem com isso, segundo as estimativas do Ambulatório de Transtornos do Impulso de Psiquiatria do Hospital das Clinicas de SP o número destes dependentes é de 170 milhões em todo o mundo, sendo 5 milhões deles estão no Brasil.


Você está entre estas pessoas dependentes de informação?

Sabe como se policiar?


Deixo aqui 6 dicas do consultor Christian Barbosa de como agir em e-mails e redes sociais – Estas dicas fora publicadas na revista Info exame que já citei acima.


  1. Mantenha o e-mail fechado e crie horários para checar mensagens, no máximo cinco vezes ao dia, evitando as interrupções constantes.
  2. 2. Tenha no máximo três e-mails: profissional, pessoal e do lixo (para cadastros).
  3. Na caixa de entrada ficam e-mails em que você está trabalhando ou que aguardam terceiros. Os outros vão para uma pasta, viram tarefas ou compromisso.
  4. Limite o tempo de permanência nas redes sociais. É difícil ficar apenas cinco minutinhos nelas.
  5. Desative e-mails de aviso nas redes sociais. Será mais fácil para controlar a curiosidade de acessá-las no trabalho.
  6. Mantenha suas redes conectadas usando recursos de sincronização. Uma informação atualizada em uma delas pode ser recebida pelas demais.


3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …